Foto: Fellipe Sampaio/SCO/STF



Durante três anos, a força-tarefa da Lava Jato fez da tabelinha com a mídia para divulgar vazamentos seletivos um dos instrumentos para conquistar o apoio da opinião pública.

Ao comemorar o aniversário da operação, na semana passada, o juiz Sergio Moro agradeceu pelo Facebook este apoio, que, segundo ele, seria garantido pela quase totalidade da população.

Enquanto o vaza-vaza se limitava a denunciar políticos do governo anterior, hoje na oposição, todo mundo achava bonito e não me lembro que o juiz tenha se manifestado contra esta prática transformada em rotina nas investigações.

Agora que os vazamentos deixaram de ser seletivos e atingiram praticamente toda a cúpula política do país, com as delações da Odebrecht, Sergio Moro e Gilmar Mendes, ministro do STF e presidente do TSE, resolveram agir no mesmo dia contra os vazadores.

Nesta terça-feira, Sergio Moro mandou a Polícia Federal conduzir coercitivamente para prestar depoimento, em São Paulo, o blogueiro Eduardo Guimarães, investigado por ter vazado informações sobre uma operação contra o ex-presidente Lula, em março do ano passado.

O objetivo da ação da PF era obter de Guimarães, editor do "Blog da Cidadania", o nome da fonte que lhe passou as informações. Manter o sigilo da fonte é um direito assegurado pela Constituição.

"A arbitrariedade é bem clara quando ele é conduzido coercitivamente sem jamais ter sido intimado. A segunda arbitrariedade é a violação do sigilo da fonte", disse o advogado do blogueiro, Fernando Hideo Lacerda.

Em nota conjunta, a Federação Nacional dos Jornalistas e o Sindicato de São Paulo afirmaram que "a Polícia Federal ataca a liberdade de imprensa e de expressão do blogueiro _ a mesma PF que tem vazado informações seletivamente de acordo com os próprios interesses".

Sergio Moro não quis se manifestar sobre a operação. "Sem comentários", limitou-se a dizer, repetindo as célebres palavras de Armando Falcão, ministro da Justiça durante a ditadura militar.

Em Brasília, o ministro Gilmar Mendes acusou a Procuradoria Geral da República de praticar crime ao vazar informações sigilosas e defendeu a anulação das delações da Odebrecht.

Para Gilmar, o vazamento de dados sigilosos "é uma forma de chantagem implícita ou explícita. É uma desmoralização da autoridade pública".

Não se tem notícia de que alguma autoridade tenha sido investigada e muito menos punida ao vazar informações à imprensa ao longo de toda a Operação Lava Jato.

No enredo do Samba do Brasil Doido que desfila em 2017, como sabemos, a Constituição e as leis são flexibilizadas e adaptadas às conveniências de cada doutor conforme as circunstâncias do momento.

Ao contrário do que se costuma dizer, a Justiça não é cega. Tem mil pesos e mil pedidas, a gosto do freguês.

Em tempo: falando muito e a toda hora, o ministro Gilmar Mendes mais parece candidato em campanha. Campanha para quê, afinal?, ainda que mal me pergunte.


R7

Gostou do Blog? Divulgue. Curta. Compartilhe. Colabore. Aproveite os preços baixos dos livros. AQUI Últimos livros Anunciados e AQUI Tabela de Preços Promocionais
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis cliente. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;

Gostou do Blog? Divulgue. Curta. Compartilhe. Colabore. Aproveite os preços baixos dos livros. AQUI Últimos livros Anunciados e AQUI Tabela de Preços Promocionais