A Operação Carne Fraca já começa a provocar impactos negativos na economia brasileira. União Europeia, China, Chile e Coreia do Sul anunciaram, nesta segunda (20), restrições à importação de carne do Brasil. De acordo com o professor de Economia da Uerj, Elias Jabbour, a ação da Polícia Federal foi irresponsável com a economia. Para ele, trata-se da continuidade de um movimento orquestrado de desmonte das cadeias produtivas estratégicas do país, cuja primeira vítima foi a engenharia nacional.



“Após o desmonte de nossa engenharia pesada (consagrado com a proibição à participação de empresas nacionais em leilões e licitações), o golpe avança sobre outra cadeia produtiva: a de carnes”, escreveu Jabbour em sua página no Facebook.

Na operação Carne Fraca, a Polícia Federal denuncia um esquema de pagamento de propina envolvendo funcionários do Ministério da Agricultura e empresários do ramo alimentício, para relaxar a fiscalização e conseguir a liberação de licenças.

Em entrevista ao Portal Vermelho, o professor da Uerj disse que suas críticas não são à investigação em si, mas à forma espalhafatosa com que ela foi divulgada, prejudicando um setor importante da economia.

“Para a economia, é irresponsável. Um grupo dentro da Polícia Federal se encarrega de fazer uma investigação, que não falo que seja injusta, mas, ao sinal de qualquer resultado imediato, lança tudo na imprensa e coloca o país em polvorosa. O resultado disso já é a suspensão da compra da nossa carne. E o Brasil vai perdendo mercado e espaço internacional”, criticou.

Segundo dados do presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil(AEB), José Augusto de Castro, o Brasil exporta atualmente quase US$ 12 bilhões (o equivalente a quase R$ 40 bilhões) de carnes por ano. Em 2016, 1,077 milhão de tonelada de carne bovina foi exportada pelo Brasil, com faturamento de US$ 4,350 bilhões (R$ 13,48 bilhões com dólar a R$ 3,10).

Informações do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (Mdic) mostram que o setor de proteína animal é hoje um dos principais itens da pauta de exportações brasileiras. Em 2016, o item “carnes e miudezas comestíveis” foi o terceiro mais importante entre os produtos enviados para fora do país, perdendo apenas para grãos e minérios.

“A operação ataca um setor duramente construído nos últimos 15 anos. Nesse período, o Brasil desenvolveu tecnologias que possibilitaram enfrentar a febre aftosa, a doença da vaca louca, criou condições para superar tudo isso e se impor no mercado internacional”, disse Elias Jabbour.

Ele lembrou que empresas como JBS e BRF – alvos da operação da Polícia Federal – receberam impulso da política de "campeãs nacionais", que concedeu financiamento público via BNDES a setores promissores, e passaram a ser players globais durante as gestões comandadas pelo PT.

“O BNDES investiu dinheiro público na construção de uma política que permite, por exemplo, a sobrevivência de setores inteiros da economia num mercado internacional altamente competitivo. Exemplo disso é a própria indústria de carnes. E esse tipo de operação vem a calhar para a destruição disso tudo que foi conquistado”, lamentou.

Sem coincidências: é a economia


Jabbour ressaltou que não se trata de um ataque isolado à agropecuária. Para ele, é preciso lembrar que a Carne Fraca ocorre após o setor de engenharia pesada nacional ter sofrido duro golpe, a partir das investigações da Operação Lava Jato. “Os setores do país que têm condições de competir fora de suas fronteiras estão sendo destruídos”, disse.

“A operação da Polícia Federal contra a o grupo JBS e BRS (com respectiva queda de suas ações na bolsa) sugere a continuidade do desmonte de todas as cadeias produtivas nacionais, notadamente aquelas com ampla capacidade externa”, escreveu no Facebook.

Para ele, “não existe coincidência quando se fala em estrutura econômica” e é preciso proteger a indústria nacional dos interesses estrangeiros. “Com a crise de 2008, abriu-se um prolongado processo de concentração de capitais. ‘Guerra de capitais’ e ‘fusões e aquisições’ são as principais marcas do capitalismo em crise. A destruição de nossa indústria, uma a uma, atende a interesses altamente corruptos e que buscam a transformação de nosso país em uma colônia”, completou.

Jabbour recordou que recentemente tornou-se pública a informação de que os Estados Unidos andavam espionando o Brasil – a própria presidenta Dilma Rousseff foi vítima. “Duvido, por exemplo, que essas operações da Polícia Federal, a própria Lava Jato, não se retroalimentem de informações vindas do exterior. Todo mundo sabe que o governo norte-americano espionava a Petrobras. Não tenho muita dúvida sobre isso, não é mania de perseguição. É assim que as coisas funcionam na economia”, defendeu.

Na avaliação do professor de Economia, por trás da operação, estão, portanto, interesses estrangeiros e corporativos, de dentro do próprio Estado nacional. “Ao que tudo indica, existem também rivalidades dentro da Polícia Federal e, um fica concorrendo com o outro”, opinou.

Em meio a esse processo, que atinge em cheio a economia, quem perde é a indústria nacional. “E, como consequência, isso piora o desemprego e ajuda na dissolução dos empregos de qualidade no país. Porque são empregos ligados ao nosso grau de complexidade industrial - quanto mais complexa uma estrutura produtiva, maior os salários oferecidos. E, assim, há um efeito em cadeia”. O professor ressaltou ainda que o alvo das operações tem sido sempre o capital produtivo, nunca o financeiro.




Por Joana Rozowykwiat, do Portal Vermelho



Portal Vermelho



Gostou do Blog? Divulgue. Curta. Compartilhe. Colabore. Aproveite os preços baixos dos livros. AQUI Últimos livros Anunciados e AQUI Tabela de Preços Promocionais
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis cliente. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;

Gostou do Blog? Divulgue. Curta. Compartilhe. Colabore. Aproveite os preços baixos dos livros. AQUI Últimos livros Anunciados e AQUI Tabela de Preços Promocionais