A presença de Levy é omitida pelos que previam crescimento em 2015, 2016 e agora, em 2017


por Antero de Quental*

O IBGE confirmou, no início da semana, que a austeridade propagada pelo neoliberalismo em todo o mundo mergulhou o Brasil na maior recessão de sua história.

Combinada a outra política contracionista, a monetária, o “ajuste” fiscal de Joaquim Levy, Nelson Barbosa e Henrique Meirelles levou o PIB da melancólica expansão de 0,5% em 2014 à aterradora retração de 7,2% na soma dos dois anos seguintes.

Mas, para os neoliberais, a tragédia tem outro nome e sobrenome: Guido Mantega. Sim, ele mesmo.

O ministro da Fazenda, agora no alvo da Lava Jato, que deixou o cargo mais de dois anos atrás, antes de o período recessivo começar.

Em sua coluna de quarta-feira, “PIB: a tragédia consumada”, o editor-executivo do Valor Econômico, Cristiano Romero, sustenta que a crise atual é a consumação do “fracasso retumbante” do que ele e outros neoliberais chamam de Nova Matriz Econômica, a “miríade de equívocos da política econômica do governo Dilma Rousseff (2011-2016)”.

Cristiano não explica, mas, quando escreve “o governo Dilma Rousseff (2011-2016)”, refere-se, na verdade, a um período mais restrito, de 2011 a 2014.

Afinal, o colunista celebrou a substituição de Mantega por Levy e passou todo o ano de 2015 defendendo os cortes de gastos impostos pelo “Chicago boy”.

A omissão é proposital.

Seria mais difícil explicar por que um conjunto de políticas econômicas adotadas mais de dois anos atrás continua a produzir efeitos negativos, inclusive contra as previsões dos neoliberais, que prometeram crescimento para 2015 — depois, para 2016, e, agora, para 2017. Ou por que, em vez de alguma retomada, tímida que fosse, a revisão de tais equívocos levou o PIB estagnado de 2014 a encolher ao tamanho de 2010.

Quando, em janeiro de 2015, Cristiano escreveu “‘Habemus’ ministro” e chamou o discurso de posse de Levy de “peça de valor histórico”, os analistas de mercado ouvidos pelo Banco Central previam crescimento de 0,4% para aquele ano e de 1,8% para o próximo.

Seria o caso de perguntar ao colunista o que teria acontecido se, em vez de tão sábias palavras, Levy tivesse apresentado apenas uma avaliação equivocada dos problemas que teria de enfrentar.

“Levy mostrou a importância do equilíbrio fiscal para a estabilidade e a confiança dos empresários e do sistema financeiro na economia e, portanto, para ‘a geração de emprego, o bem-estar geral e a riqueza da nação'”, escreveu à época o editor-executivo do Valor.

Mas, se está tão claro que recessão ainda é resultado da Nova Matriz Econômica — a ponto de Romero não fazer qualquer menção às políticas que a substituíram ao explicar os números do IBGE –, por que ele não avisou, àquela altura, que a tragédia ainda estava por se consumar?

Que dali a dois anos, a taxa de desemprego dobraria, milhões de pessoas voltaram à pobreza e a riqueza da nação (sic) encolheria nada menos do que 7,2%?

“Por fim, em seu discurso, Levy fez um elogio irônico à chefe: ‘Talvez, nunca antes na nossa história, em períodos democráticos, houvéssemos tido a maturidade, como país, de fazer correções bem antes que uma crise econômica se instalasse. Estou aqui, nesta função, para evitar uma crise”, ainda registrou o exultante colunista, sem dizer que o leite já estava no chão.

PS do autor: Curiosamente, todos os economistas de esquerda, dos mais aos menos críticos à “Nova Matriz”, alertam, ainda no fim de 2014, que o “cavalo de pau” dado por Dilma aprofundaria a recessão.

*É jornalista



Viomundo



Gostou do Blog? Divulgue. Curta. Compartilhe. Colabore. Aproveite os preços baixos dos livros. AQUI Últimos livros Anunciados e AQUI Tabela de Preços Promocionais
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;