Alexandre de Moraes será sabatinado pelo Senado nesta terça (Foto: Isaac Amorim/06.01.2017/Ministério da Justiça)



Conhece aquele jogo em que todo mundo já sabe quem vai ganhar antes mesmo do juiz apitar o início da partida? São favas contadas e cartas marcadas. Não tem erro.

É este o clima que cerca a sabatina de Alexandre de Moraes no Senado nesta-terça feira, principal fato político da semana.

Desde que seu nome foi indicado por Michel Temer para a vaga de Teori Zawascki, Moraes desfila pelo Senado, sempre acompanhado de uma comitiva de assessores e seguranças, como se estivesse passando a tropa em revista.

Consta que já falou com todos os 81 senadores pessoalmente, mas nem precisava. Cabalou voto de seus eleitores até numa chalana ancorada no lago Paranoá, o momento mais emocionante da campanha.

Nunca houve em tempos recentes uma maioria governista tão esmagadora na Comissão de Constituição e Justiça, presidida por ninguém menos do que o ínclito senador Edson Lobão, e no plenário do Senado.

Feito candidato único em campanha eleitoral numa cidadezinha do interior em que todo mundo se conhece, o ministro licenciado da Justiça só está esperando a hora de correr para o abraço.

A única dúvida é saber quanto tempo vai durar a encenação até a votação em plenário _ se termina na própria terça-feira, ou no dia seguinte.

Ninguém ali está muito preocupado com o conhecimento jurídico ou a reputação ilibada do candidato ao STF, os requisitos básicos para a nomeação de um ministro.

O que todos querem ter no tribunal é um aliado de confiança na luta desesperada contra as denúncias da Lava Jato.

À oposição caberá o papel de time pequeno que entra em campo para enfrentar um grande na final de campeonato já decidido, apenas para cumprir tabela.

Pouco importa o que até agora se divulgou sobre alguns problemas na carreira acadêmica do candidato, como casos de plágio e currículo turbinado.

Não fosse todo esse cenário favorável, Alexandre de Moraes conta ainda com o retrospecto das sabatinas no Senado, mero ritual de confirmação daquilo que o governo de turno quer.

A última vez que um candidato ao STF foi vetado numa sabatina do Senado aconteceu há 123 anos, no governo do marechal Floriano Peixoto (1891-1894).

R7
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;