(Um currículo invejável. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Por Pedro Breier, colunista do Cafezinho

Alexandre de Moraes acaba de ser indicado pelo governo Temer para a vaga aberta no STF com a morte de Teori.

O currículo de Moraes é uma mistura de truculência e incompetência, temperada com pitadas de fanfarronices e bizarrices.


Como secretário da segurança pública de São Paulo, durante o governo Alckmin (2014-2016), comandou verdadeiros massacres contra manifestações políticas da esquerda. Ficou clara a estratégia da PM de provocar os manifestantes e incitar a violência para depois justificar os tiros, as porradas e as bombas.

Moraes tem o DNA truculento do governo golpista: este chegou ao poder através da violência contra as urnas e a democracia; aquele garantiu que os protestos dos adversários políticos na maior cidade do país fossem silenciados, com muito derramamento de sangue.

A atuação no ministério da justiça de Temer foi um festival de incompetência. Sob a batuta de Alexandre de Moraes diversos presídios do país foram tomado por rebeliões e massacres.

A solução encontrada foi mandar o exército para os presídios. Não dá pra esperar muito mais de alguém que defende menos pesquisa e “mais equipamentos bélicos” para resolver o problema da segurança pública. Também merece destaque o episódio em que Alexandre negou pedido de ajuda da governadora de Roraima, depois negou que tinha negado e por fim teve que admitir. Patético.

Antes da crise nos presídios Moraes já tinha balançado no cargo por, em uma atitude incrivelmente juvenil, não segurar a língua e revelar aos amigos do MBL que a Lava Jato agiria nos próximos dias. Um grande fanfarrão.

Agora, a bizarrice. O novo ministro do STF tinha um plano: erradicar a maconha da América Latina. Mas Moraes não é apenas um burocrata e ele mesmo resolveu dar início ao seu totalmente factível plano, cortando pés de maconha com um facão. Promissor.

Os fatos de Moraes ser filiado ao PSDB e de Temer ter se reunido ontem com o ministro mais tucano do STF (ao menos até agora) só deixam a situação mais desastrosa.

Contudo, sob o ponto de vista do governo Temer e das forças da direita, a nomeação de Alexandre envolve um cálculo político bem feito. As críticas estão pulando que nem pipoca agora, mas depois da nomeação ser confirmada pelo Senado não haverá muito o que fazer. Moraes fará o jogo da direita na suprema corte brasileira por… décadas.

A sua indicação significa que a direita compreende que o jogo do poder é bruto e não se constrange em colocar seus quadros mais orgânicos em postos chave.

Lula e Dilma, por sua vez, brincaram de “republicanismo” e o resultado é um STF covarde comendo na mão do cartel midiático. É emblemático que nada menos do que todos os ministros indicados pelo PT avalizaram o golpe.

Um próximo governo de esquerda não terá o direito de cometer o mesmo erro.


O Cafezinho
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;