Escolhido por Michel Temer, deputado Osmar Serraglio comandará pasta responsável pela Lava Jato.



Marcella Fernandes
Repórter de política, HuffPost Brasil

MONTAGEM / AGÊNCIA BRASIL



O presidente Michel Temer escolheu o deputado Osmar Serraglio (PMDB-PR) para novo ministro da Justiça. A pasta é responsável pela Polícia Federal, uma das instituições responsáveis pela Operação Lava Jato.


No início da noite desta quinta-feira (23), o porta-voz do Palácio do Planalto, Alexandre Parola, informou que o parlamentar aceitou o convite.

"Jurista e congressista com larga trajetória parlamentar na Câmara, o deputado Osmar Serraglio traz ampla experiência profissional e política para o trabalho de levar adiante a agenda de atribuições sob sua responsabilidade", afirmou.


Presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara em 2016, o deputado conquistou o cargo com apoio do então presidente da Casa, Eduardo Cunha(PMDB-RJ), a fim de pautar os recursos de Cunha contra a cassação no colegiado.


Quando o peemedebista alvo da Lava Jato foi preso em outubro, Serraglio reagiu dizendo:"É a queda da República!".

À frente da comissão, permitiu uma série de manobras regimentais de aliados de Cunha que adiaram a votação do parecer que pedia o fim do mandato do parlamentar. "Qual a diferença de resolver hoje ou amanhã?", questionou Serraglio na época.


Após a aprovação da admissibilidade do impeachment de Dilma Rousseff na Câmara dos Deputados, o parlamentar chegou a dizer que "Eduardo Cunha exerceu um papel fundamental para aprovarmos o impeachment da presidente. Merece ser anistiado".

No pacote de dez medidas contra corrupção, votou a favor da punição de juízes e de procuradores por abuso de autoridade.

Em 2014, o peemedebista foi relator da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 215/2000, que transfere do Executivo para o Legislativo a palavra final sobre a demarcação de terras indígenas. A mudança é defendida por ruralistas e criticada por por grupos indigenistas e ONGs.

Nascido em Erechim (RS), formado pela Faculdade de Direito de Curitiba e mestre em Direito do Estado pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, Serraglio está em seu quinto mandato como deputado federal.

O deputado foi relator da CPMI dos Correios, que deu origem à investigação do Mensalão, esquema de pagamento a parlamentares, em troca da aprovação de medidas de interesse do governo na gestão de Lula.

Em nota, a Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal (ADPF) parabenizou Serraglio, mas pediu apoio para a Polícia Federal.
Serraglio terá como principal desafio encontrar soluções para acabar com a crise generalizada de segurança pública vivida pelo país. Para isso, será necessário fortalecer a Polícia Federal e demais órgãos de combate ao crime organizado e à corrupção.
Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal

A entidade destacou a atuação do parlamentar como relator da CPMI dos Correios e como presidente da CCJ.

Desde que indicou o então titular da Justiça, Alexandre de Moraes, para o Supremo Tribunal Federal (STF), Temer tem procurado uma solução para o comando da pasta.

A escolha foi um aceno à bancada do PMDB na Câmara, que se sentia subrepresentada no Governo. O grupo também estava de olho na liderança do governo. O cargo do deputado André Moura (PSC-SE) deve será ocupado pelo deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB).

Na semana passada, o ex-ministro do STF Carlos Velloso recusou o convite do peemedebista. Ele alegou que compromissos pessoais com seus clientes impediram que aceitasse o cargo.

Também foi sondado para a vaga o criminalista Antônio Cláudio Mariz de Oliveira. O jurista afirma que "há excessos dos operadores da Lava Jato".

HuffPost Brasil
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;