O Globo





Manchete: Venda da Cedae é aprovada, e socorro ao Rio avança


Alerj dá aval à privatização por 41 votos a 28

Ações devem garantir R$ 3,5 bi em empréstimos

Protesto violento trava trânsito e deixa 20 detidos

Num primeiro passo para garantir sua recuperação fiscal e o socorro financeiro da União, o Estado do Rio aprovou ontem na Assembleia Legislativa o projeto que autoriza a privatização da Cedae. O aval do Legislativo — 41 votos a favor e 28 contra — é fundamental porque as ações da companhia de água e esgoto serão dadas como garantia a empréstimos de R$ 3,5 bilhões para quitar salários atrasados de servidores. Apesar do forte esquema de segurança, inclusive com homens da Força Nacional, houve protestos no entorno do Palácio Tiradentes e quebra-quebra na Avenida Presidente Vargas, na altura da Central do Brasil, onde estruturas instaladas para o carnaval foram destruídas. O trânsito ficou caótico na região. Vinte pessoas, entre elas mascarados, foram detidas sob a acusação de atos de vandalismo. Hoje, os deputados voltam a se reunir em plenário para votar 16 destaques apresentados ao projeto original, mas a expectativa é que os governistas rejeitem todos. Oposição no estado, PSDB e PSOL ameaçam ir à Justiça contra a decisão de vender a estatal, que atende a 64 de 92 municípios do Rio. (Págs. 7 e 9)

ANCELMO GOIS

Aécio critica deputados do PSDB do Rio que votaram contra a privatização. (Pág. 8)


Pacote fiscal chega hoje ao Congresso


Além de autorizar novos empréstimos e de suspender por três anos o pagamento da dívida com a União, o regime de recuperação fiscal prevê uma série de contrapartidas dos estados. Técnicos da Fazenda também passarão a fiscalizar as contas estaduais para que o acordo seja cumprido. (Pág. 9)


Lula e Dilma agiram contra a Lava-Jato, acusa PF


Em relatório enviado ao ministro Edson Fachin, do STF, a PF acusa os ex-presidentes Lula e Dilma e o ex-ministro Mercadante de obstrução de Justiça. Para a PF, os petistas tentaram atrapalhar a Lava-Jato com a nomeação de Lula para a Casa Civil. Fachin deverá enviar os autos à 1ª instância. (Pág. 4)


O servidor honesto


Pela 1ª vez, um delator da Lava-Jato relatou o caso de um servidor que teria resistido à corrupção. Ele trabalhava no Ministério da Agricultura. (Pág. 6)


Colunistas


MERVAL PEREIRA

Foro especial seria obstáculo à candidatura de Lula. (Pág. 4)

JOSÉ CASADO

Vargas Llosa e a corrupção da Odebrecht no Peru. (Pág. 13)

CARLOS ANDREAZZA

Ideia de que todo político é pilantra favorece Lula. (Pág. 13)

GIL CASTELLO BRANCO

Congresso atira pedras na sociedade brasileira. (Pág. 12)


Editorial


‘Momento de repensar o foro privilegiado’ (Pág. 12)


Acordo é proposto aos militares


O governo estuda melhorar os salários das Forças Armadas em troca de mudanças no atual regime de aposentadoria dos militares. (Pág. 16)


Acionistas querem pulverizar controle (Pág. 19)





------------------------------------------------------------------------------------

O Estado de S. Paulo





Manchete: Foro não pode ser ‘suruba selecionada’, diz líder do governo


Afirmação de Romero Jucá é reação à proposta do STF de restringir privilégio de parlamentares; Congresso ameaça fazer o mesmo com magistrados e procuradores

Lideranças da base e da oposição no Congresso ameaçam aprovar Proposta de Emenda à Constituição para retirar foro privilegiado de magistrados e integrantes do Ministério Público caso o Supremo Tribunal Federal (STF) leve adiante proposta de restringir o foro de parlamentares a crimes cometidos no exercício do mandato. “Se acabar o foro, é para todo mundo. Suruba é suruba. Aí é todo mundo na suruba, não uma suruba selecionada”, afirmou o líder do governo, senador Romero Jucá (PMDB-RR), a Ricardo Brito. “Uma regra para todo mundo para mim não tem problema.” A afirmação do peemedebista investigado na Lava Jato foi uma reação ao debate que ganhou corpo na semana passada, após o ministro do STF Luís Roberto Barroso defender limitação do foro a acusações durante e em razão do exercício do cargo. Em seguida, foi a vez de o relator da Lava Jato no Supremo, Edson Fachin, também defender revisão do tema. (POLÍTICA / PÁG. A4)

Mudança patina no Congresso

Bandeira de protesto marcado para maio, o fim do foro privilegiado para autoridades patina no Congresso. Senado resiste a votar PEC que acaba com privilégio. (PÁG. A4)


PF acusa Lula e Dilma de tramar contra Lava Jato


A Polícia Federal acusa os ex-presidentes Lula e Dilma Rousseff de crime de obstrução da Justiça. Em relatório de 47 páginas, encaminhado ao ministro Edson Fachin, relator da Operação Lava Jato no STF, a PF sugere a denúncia deles por “embaraço ao avanço da investigação” quando Dilma nomeou Lula para a Casa Civil em março de 2016. O documento acusa também o ex-ministro Aloizio Mercadante por tráfico de influência. (POLÍTICA / PÁG. A6)

Schahin vai fazer delação

O empresário Milton Schahin fez acordo de delação com a Lava Jato. Condenado a 9 anos de prisão, ele vai falar sobre empréstimo de R$ 12 milhões do banco Schahin a José Carlos Bumlai. (PÁG. A7)


Fazenda quer anular julgamentos do Carf


A corregedoria do Ministério da Fazenda pedirá anulação de todos os julgamentos do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf) em que supostamente houve irregularidade na atuação de conselheiros. Quase dois anos depois de a Operação Zelotes revelar pagamento de propinas no conselho, já houve 15 denúncias do Ministério Público Federal à Justiça por processos que somam pelo menos R$ 30 bilhões em multas. (ECONOMIA / PÁG. B1)

Bônus causa polêmica

Empresas questionam bônus para auditores fiscais que fazem parte do Carf. Para elas, gratificação compromete julgamentos, já que servidores recebem mais se multa for mantida. (PÁG. B1)


Planalto pede rapidez em sabatina de Moraes na CCJ


Marcada para as 10 horas na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, a sabatina do ministro licenciado Alexandre de Moraes, indicado para o Supremo Tribunal Federal (STF), mobiliza a base governista para garantir uma aprovação rápida. O Planalto quer votação em plenário ainda hoje. A oposição trabalha para atrasar a sessão. A indicação precisa de votos favoráveis de 41 dos 81 senadores. (POLÍTICA / PÁG. A8)


Vale divide controle e ações sobem


As ações da Vale tiveram forte alta após o anúncio de novo acordo de acionistas, que entra em vigor em maio. O acordo pulveriza o controle da empresa. (ECONOMIA / PÁG. B12)


Eliane Cantanhêde


O teatro Com ensaio em chalana, sabatina de Alexandre de Moraes vira enredo com ‘the end’ conhecido. (POLÍTICA / PÁG. A6)


Notas & Informações


A responsabilidade da sabatina

CCJ do Senado deverá examinar com rigor coerência entre vida e ideias, entre ética e comportamento público. (PÁG. A3)

A politização de tudo

Cada vez mais desprovido de apoio eleitoral, PT investe o que resta de suas energias na transformação de todos os aspectos da vida nacional em luta política. (PÁG. A3)

É hora de destravar a pesquisa

Simplificação de procedimentos não significa revogação de controle pelo poder público. (PÁG. A3)


------------------------------------------------------------------------------------

Folha de S. Paulo





Manchete : RJ autoriza venda de estatal para pagar salário atrasado


Após vitória na Assembleia, governo Pezão (PMDB) busca aval do Congresso

Sob protestos, a Assembleia Legislativa do Rio aprovou um projeto de lei que permite a venda da estatal de água e esgoto, contrapartida do pacote de socorro financeiro negociado entre o governo estadual e a União. A aprovação, por 41 votos a 28, foi criticada por servidores e deputados da oposição. Ao menos 20 pessoas foram detidas em manifestações. A Cedae (Companhia Estadual de Águas e Esgotos), que lucrou R$ 249 milhões em 2015, pode valer até R$ 5,5 bilhões. O governo Luiz Fernando Pezão (PMDB) quer entregar ações para tomar um empréstimo de R$ 3,5 bilhões. Parte da verba seria usada para pagar salários atrasados, o que é vedado pela legislação. A mudança da lei depende do aval do Congresso, que discute ainda a suspensão do pagamento da dívida. O presidente da Alerj Jorge Picciani, estima que o Rio teria alívio de R$ 10 bilhões em suas contas neste ano, caso as medidas sejam aprovadas. O déficit previsto de 2017 soma R$ 19,5 bilhões. (Mercado pág. 1)


PF diz que Lula e Dilma tentaram obstruir Lava Jato


A Polícia Federal diz, em relatório enviado ao STF, que os ex-presidentes Lula e Dilma Rousseff e o ex-ministro Aloizio Mercadante atuaram para obstruir a Lava Jato. Procurada, a defesa de Lula fala em perseguição e nega as acusações, assim como a de Mercadante. Dilma não foi localizada. (Poder A6)


Alvo de operação, Jucá critica mídia e afirma que não vai se acovardar (Poder A7)





Obesidade cresce 36% entre clientes de plano de saúde


Estudo de Ministério da Saúde e Agência Nacional de Saúde Suplementar aponta que a proporção de obesos entre usuários de planos de saúde subiu 36% de 2008 para 2015, chegando a 17%. A obesidade é fator de risco para doenças crônicas e cardiovasculares. É obesa a pessoa que tem o índice de massa corporal igual ou superior a 30 kg/m2. (Cotidiano B3)


USP quer teto de gasto com salários de funcionários


Em crise financeira, a USP quer impor um teto de gastos com salários de funcionários e congelar reajustes e contratações quando o comprometimento com a folha de pagamento superar 80% da verba recebida do Estado. A proposta da reitoria será analisada mês que vem pelo Conselho Universitário da instituição. (Cotidiano B1)


Governo Alckmin decide afastar Kalil, diretor do Butantan (Cotidiano B6)





Editoriais


Leia “Pragmatismo básico”, acerca de privatização no saneamento, e “Sangria orçamentária”, sobre fábrica de hemoderivados inoperante do Butantan. (Opinião A2)


------------------------------------------------------------------------------------

Mídia
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;