Nascido e criado nas Mercês, nosso grande ícone musical é negro e proletário


Ricardo Prestes Pazello
Brasil de Fato, Curitiba (PR)


Seu enredo foi curto, mas intenso: Lápis viveu até aos 36 anos / Blog Memória, Saudade, Música e Lápis


“Se a avenida tem fim, não faz mal, tem fim a vida e o carnaval” – este é um dos refrões do maior compositor popular de Curitiba. Nascido e criado nas Mercês, nosso grande ícone musical é negro e proletário.

Com pai operário e mãe de família tradicional, é filho de um casamento que começa na carnavalesca Antonina. Seu Abelardo e Dona Mariquinha tiveram 21 filhos e Lápis – ou Palminor Rodrigues Ferreira – foi o último a desfilar na avenida do casal.

Seu enredo foi curto, mas intenso. Antes de partir, em fevereiro de 1978 aos 36 anos de idade, Lápis desenhou na conservadora Curitiba todo o seu som, apesar de longa permanência no Rio de Janeiro, onde tentou deslanchar sua carreira. Instrumentista de mão cheia, integrou vários grupos musicais, dos quais o “Bitten IV” foi o mais famoso, tocando pandeiro, violão, cavaquinho e sobretudo cantando.

Apesar de suas composições, não chegou a ser conhecido do grande público. Talvez por ter sido muito rebelde. Como trabalhador dos Correios, foi tão indócil a ponto de ser mandado embora por abandono de emprego. Como músico, preferiu a boemia e odiou “qualquer tipo de esquema comercial”, como disse Oraci Gemba, dramaturgo que o dirigiu no musical “Funeral para um rei negro”. Como atleticano, chegou a compor o hino do Coxa (prevendo o que aconteceria em 2017, quando a dupla atletiba se junta contra o monopólio corporativo da mídia em transmissões esportivas).

No ritmo intenso de sua vida, chegou a ter êxito em um festival de música de carnaval. “Dia de arlequim”, parceria com Paulo Vítola, foi o carro-chefe, ainda que melancólico, do sambista rebelde: “a noite inteira eu quero esquecer, por um momento eu quero sorrir”. Em tempos de desmonte cultural em Curitiba (vide cortes orçamentários na oficina de música e no carnaval), lembrar de Lápis é lembrar seu verso e rebeldia, as grandes lições de quem foi chamado de “o último rei da noite”.

Para ficar por dentro:

Boletim e áudio Lápis, um compositor paranaense (1982), de Aramis Millarch

CD À Lápis (2006), dirigido por Jazomar Vieira da Rocha

Blog Memória, Saudade, Música e Lápis (2008), organizado por Bia Lanza

Filme Feito a Lápis, documentário para um rei negro (2014), de Vinicius Camilo e Gabriel Eloi



*Ricardo Prestes Pazello é professor do curso de direito da UFPR, secretário-geral do IPDMS e militante da Consulta Popular do Paraná.

Edição: Ednubia Ghisi


Brasil de Fato
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis cliente. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;