Superestimando a luta institucional e insensível ao apelo da militância, a maioria da bancada preferiu não tomar uma posição clara, autorizando os senadores e senadoras petistas a votarem como bem entenderem. É realmente lamentável. Um equívoco político que cobrará seu preço. Não poderíamos de forma alguma fazer alianças com protagonistas do golpe. Não se trata de desconhecer a importância dos espaços institucionais para a disputa política, mas de reconhecer que a única trincheira de luta capaz de derrotar os golpistas, barrar as reformas neoliberais e resgatar a democracia via eleições diretas é justamente a trincheira da luta social. Dos senadores petistas Fátima Bezerra, Gleisi Hoffmann e Lindbergh Farias, sobre a decisão da bancada do partido de não tomar decisão e garantir uma vaga para José Pimentel (PT-CE) na mesa diretora sob a presidência do “Índio”.

“Índio” na delação da Odebrecht, Eunício Oliveira vai presidir o Senado

Da CartaCapital

Milionário, senador do Ceará tem empresas com contratos com o governo federal e, segundo delator, integrava “núcleo” do esquema

Após dois anos comandado por Renan Calheiros (PMDB-AL), uma das figuras centrais nas denúncias de corrupção da Operação Lava Jato, o Senado será presidido agora por Eunício Oliveira. O peemedebista do Ceará foi eleito nesta quarta-feira 1º, com 61 votos, contra 10 votos de seu único concorrente, José Medeiros (PSD-MT).

Deputado federal por três legislaturas (1999-2007), Eunício Oliveira foi ministro das Comunicações do governo Lula (2004-2005) e, desde 2011, exerce seu primeiro mandato como senador.

Autodeclarado empresário e agropecuarista, Eunício Oliveira é um dos diversos milionários do Congresso.

Em 2014, quando disputou o governo do Ceará (e perdeu para Camilo Santana, do PT), Eunício declarou patrimônio de 99 milhões de reais. A maior parte está na Remmo Participações S/A, uma holding que detém diversas companhias, como a Confederal e a Corpvs, ambas do ramo de segurança e vigilância.

Na sexta-feira 28, reportagem do jornal O Estado de S.Paulo mostrou que as duas companhias de Eunício têm contratos de 703 milhões de reais com o Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal, bancos controlados pela União e largamente influenciados pelo PMDB. Os contratos tiveram início em 2011, quando começou o mandato do cearense, e vão até 2019, quando acaba o mandato.

Outra parte dos milhões de Eunício está na Santa Mônica Agropecuária e Serviços, uma enorme propriedade rural com mais de 21 mil hectares localizada entre os municípios goianos de Alexânia e Corumbá de Goiás.

Como CartaCapital mostrou em setembro de 2014, da estrada que atravessa a propriedade, é possível avistar represas, aeroporto particular regularizado pela Agência Nacional de Aviação Civil, várias casas, benfeitorias e pastagens a perder de vista. Todas as entradas são vigiadas por seguranças particulares.

A Santa Mônica foi invadida duas vezes pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), em agosto de 2014 e junho de 2015. Nas duas ocasiões, os ativistas deixaram o local após receberem a promessa de que seriam contemplados em assentamentos do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra).

Nas duas ocasiões, o MST salientou suas dúvidas a respeito de como Eunício Oliveira conseguiu amealhar tantas terras conjugadas para criar seu latifúndio. Como também mostrou CartaCapital, em outubro de 2014, Eunício é acusado de ter pressionado diversos pequenos agricultores para conseguir criar seu latifúndio.

Em um dos casos, em meio a uma disputa judicial, Eunício conseguiu que um juiz da região, Levine Raja Gabaglia, entregasse a ele a posse de duas fazendas pertencentes a uma família acusada pelo parlamentar de roubar gado de sua propriedade.

Chama atenção no histórico de Eunício o crescimento patrimonial que teve em um período de quatro anos. Em 2010, quando disputou o Senado, Eunício tinha uma patrimônio declarado de 36 milhões de reais. Em 2014, na disputa pelo governo do Ceará, o patrimônio era de 99 milhões de reais.

O rápido crescimento na fortuna não incomodou a Receita Federal, fenômeno que ocorreu com Eunício também alguns anos antes. Em 2006, o então candidato à Câmara não declarou a posse de nenhum boi ou vaca ao Tribunal Superior Eleitoral.

Um ano depois, em maio de 2007, a Agrodefesa de Goiás computou ao peemedebista a “posse de 9.258 animais bovinos”. Em maio de 2008, dois anos após declarar não possuir gado, Eunício detinha em seus registros estaduais 19.411 animais. De sitiante, o parlamentar tornou-se o maior criador de gado nelore da região.

Na Operação Lava Jato, Eunício tem um papel de destaque. Em sua delação, Cláudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht, relata o pagamento pela empreiteira, entre 2006 e 2014, de mais de 80 milhões de reais em propina, caixa dois e doações legais de campanha a quase 50 políticos.

Nas 82 páginas do documento, Melo Filho detalha sua relação com os dois principais grupos do PMDB, o do Senado, capitaneado por Renan Calheiros, Eunício e Romero Jucá (RR), e o da Câmara, historicamente liderado por Michel Temer, Eliseu Padilha e Moreira Franco.

No Senado, Jucá era o principal interlocutor do ex-diretor da construtora. Por estratégia pessoal, diz Melo Filho, ele focado sua atuação junto a Jucá, Renan e Eunício, que assumem os respectivos codinomes de “Caju”, “Justiça” e “Índio”, por serem essas figuras fortes no Congresso, capazes de guiar as votações.

Não à toa, Melo Filho afirma que eles são o “núcleo dominante” do PMDB no Senado. Segundo a mesma delação, Calheiros recebeu cerca de 6 milhões de reais e Eunício, 2 milhões, para atuarem em favor da Odebrecht no Senado em emendas benéficas à empresa.

PS do Viomundo: Houve 10 abstenções, inclusive de três outros senadores do PT: Angela Portela, Regina Sousa e Paulo Paim.

Viomundo
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário: