Considerado o pai do romantismo francês, o autor foi proibido de falar pelo imperador francês em função do tom crítico de seu texto



Em 20 de fevereiro de 1811, o escritor François-René de Chateaubriand, considerado o pai do romantismo francês, foi eleito para a Academia Francesa, porém foi proibido por Napoleão Bonaparte de pronunciar diante de seus pares o discurso de posse — um elogio à liberdade e um ataque à revolução.

A ameaça de prisão do imperador Napoleão chegou a Chateaubriand por meio do duque de Rovigo. O escritor acreditava poder manter sua independência; no entanto, as diversas menções às liberdades contidas em seu discurso colocavam a Academia em situação delicada. Nele, Chateaubriand criticava as ideais de seu predecessor, reprovava o regicídio e exaltava a liberdade. O texto foi submetido à apreciação do imperador que, não podendo dobrar a consciência do autor, simplesmente proibiu a leitura da peça.



Chateaubriand foi exilado a Dieppe, só vindo a ocupar sua cadeira na Academia sob a Restauração, tornando-se desde então um político. Nomeado por Luis XVIII embaixador na Suécia em 1814, foi impedido, com o retorno de Napoleão, de assumir o posto.

Orador político e publicista, Chateaubriand exerceu influência considerável sobre a literatura francesa no começo do século 19, tendo sido o primeiro escritor do romantismo. Morreu em 4 de julho de 1848 em Paris.

Chateaubriand nasceu em 4 de setembro de 1768, em Saint-Malo, na costa setentrional do país. Oriundo de uma família aristocrática, passou a infância no castelo ancestral de Combourg. Sentia desde muito cedo a vocação eclesiástica, no entanto decidiu tentar a sorte fazendo carreira na Marinha, seguindo o exemplo de alguns dos seus antepassados. Por volta de 1786, já era subtenente e, pouco depois, teve a honra de ser apresentado ao então rei da França, Luís XVI, pelo que passou a frequentar a corte de Paris.

A vida suntuosa foi interrompida pela eclosão da Revolução Francesa em 1789. Embora tivesse compactuado a princípio com os revolucionários, logo se desiludiu, ao testemunhar os horríveis massacres perpetrados contra a nobreza. Decidiu partir em busca de aventura na América do Norte em 1791, regressando a Saint-Malo apenas no ano seguinte, fascinado pela natureza ainda intacta do Mississipi e pela beleza imponente das cataratas do Niágara.

Não muito tempo depois, voltou a se sentir descontente com o rumo que a França tomava, decidindo juntar-se ao Exército contrarrevolucionário estacionado na Alemanha. A tentativa de restauração da monarquia fracassou em 1793, depois do cerco de Thionville, de onde Chateaubriand saiu ferido. Procurou então refúgio na Inglaterra, lá permanecendo cerca de 7 anos.

De novo na França em 1800, sofreu enorme desgosto ao ter notícias da morte da mãe e da irmã, e tornou a abraçar a fé católica. No ano seguinte publicou o seu primeiro livro, um romance intitulado Atalá, em que contava a história dos amores entre um índio e uma virgem cristã algures no território da Luisiana. Em 1802, apareceu a sua obra mais conhecida, O Gênio do Cristianismo ou As Belezas da Religião Cristã, obra em que procurava reavivar o interesse pelo catolicismo, traduzido para o português por Camilo Castelo Branco.

Imiscuíndo-se novamente na política, pôs-se a serviço de Napoleão Bonaparte o qual, em 1803, o nomeou embaixador francês em Roma. Demitiu-se logo no ano seguinte, após o assassinato do Duque de Enghien. Distanciando-se assim de Napoleão, zarpou de viagem em 1806, desta feita rumo ao Oriente, visitando lugares tão longínquos como a Grécia, a Turquia, o Egito e a África do Norte, em busca dos lugares onde a fé cristã começara. Em resultado desta sua experiência publicou Os Mártires ou O Triunfo da Religião Cristã (1809).



Opera Mundi
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;