A soma dos percentuais de subocupação e da desocupação da força de trabalho no Brasil ficou em 20,6% em 2016; ano do golpe parlamentar do PSDB e PMDB, que pôs Michel Temer no poder, terminou com o número recorde 24,3 milhões de pessoas que poderiam estar trabalhando; dados foram divulgados nesta quinta-feira, 23, pelo IBGE; no quarto trimestre, o índice chegou a 22,2%; a quantidade de trabalhadores nessa condição indica um aumento de 6% em relação ao 3º trimestre de 2016 e de 31,4% frente ao quarto trimestre de 2015; entre as regiões analisadas pelo IBGE, a Nordeste registrou a maior taxa, de 33% no último trimestre de 2016, enquanto a menor partiu do Sul do país (13,4%); já entre os estados, a Bahia atingiu maior patamar, com taxa de subutilização em 36,2%, e Santa Catarina, 9,4%, a menor



247 - O somatório dos percentuais de subocupação e da desocupação da força de trabalho no Brasil ficou em 20,6% em 2016 e atingiu o número recorde 24,3 milhões de pessoas que poderiam estar trabalhando, se não fosse a depressão econômica provocada desde o golpe parlamentar do ano passado.

Os dados foram divulgados nesta quinta-feira, 23, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), com base na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad). No quarto trimestre, o índice chegou a 22,2%. A quantidade de trabalhadores nessa condição indica um aumento de 6% em relação ao 3º trimestre de 2016 e de 31,4% frente ao quarto trimestre de 2015.

Entre as regiões analisadas pelo IBGE, a Nordeste registrou a maior taxa, de 33% no último trimestre de 2016, enquanto a menor partiu do Sul do país (13,4%). Entre os estados, a Bahia atingiu maior patamar, com taxa de subutilização em 36,2%, e Santa Catarina, 9,4%, a menor.

Leia material divulgado pelo IBGE sobre o assunto:

Regiões Nordeste, Norte e Sudeste têm taxas de desocupação acima da nacional

No 4º trimestre de 2016, a taxa de desocupação, no Brasil, foi estimada em 12,0%. Esta estimativa se manteve estável na comparação com o 3º trimestre de 2016 (11,8%). Frente ao 4º trimestre de 2015 (9,0%), a taxa apresentou elevação de 3,1 pontos percentuais. Também no confronto anual, houve crescimento desse indicador em todas as grandes regiões: Norte (de 8,6% para 12,7%), Nordeste (de 10,5% para 14,4%), Sudeste (de 9,6% para 12,3%), Sul (de 5,7% para 7,7%) e Centro-Oeste (de 7,4% para 10,9%). A região Nordeste permanece registrando a maior taxa de desocupação dentre todas as regiões.

A taxa de desocupação dos jovens de 18 a 24 anos de idade (25,9%) continuou a apresentar patamar superior ao estimado para a taxa média total. Este comportamento foi verificado tanto para o Brasil, quanto para cada uma das cinco grandes regiões, onde a taxa oscilou entre 16,5% no Sul e 30,3% no Nordeste. Já nos grupos de pessoas de 25 a 39 e de 40 a 59 anos de idade, este indicador foi de 11,2% e 6,9%, respectivamente.

As diferenças foram significativas na taxa de desocupação entre homens (10,7%) e mulheres (13,8%) no 4º trimestre de 2016. Este comportamento foi verificado nas cinco grandes regiões.

Por nível de instrução, a taxa de desocupação para o contingente de pessoas com ensino médio incompleto (22,0%) era superior à verificada para os demais níveis. Para o grupo de pessoas com curso superior incompleto, a taxa foi estimada em 13,6%, mais que o dobro da verificada para aqueles com nível superior completo (5,8%).

Região Nordeste é a única onde o percentual de mulheres (48,7%) na população desocupada é menor que o de homens (51,3%)

O percentual de mulheres (50,3%) na população desocupada foi superior ao de homens (49,7%) no 4º trimestre, o que se repetiu em quase todas as regiões. A exceção foi a região Nordeste, onde as mulheres representavam 48,7% da população desocupada. Na região Centro-Oeste, o percentual das mulheres foi o maior (52,9%).

O grupo de 14 a 17 anos de idade representava 8,4% das pessoas desocupadas, uma redução de 0,8 ponto percentual do 4º trimestre de 2015 para o 4º trimestre de 2016. A maior parcela era representada pelos adultos de 25 a 39 anos de idade (35,6%).

No 4º trimestre de 2016, 50,6% das pessoas desocupadas tinham concluído pelo menos o ensino médio. Cerca de 26,1% não tinham concluído o ensino fundamental. Aquelas com nível superior completo representavam 8,2%. Estes resultados não se alteraram significativamente ao longo da série histórica disponível.

Mulheres representam 39,1% da população ocupada na região Norte

Mesmo representando 52,2% da população em idade de trabalhar (14 anos ou mais de idade), as mulheres (43,0%) tinham uma representação menor que os homens (57,0%) na população ocupada. Este fato se repetiu em todas as regiões, sobretudo na Norte, onde os homens representavam 60,9% dos trabalhadores e as mulheres, 39,1% no 4º trimestre de 2016. Ao longo da série histórica da pesquisa este quadro não se alterou significativamente em nenhuma região.

A análise do contingente de ocupados no 4º trimestre de 2016, por grupos de idade, mostrou que 12,7% eram jovens, de 18 a 24 anos, e que os adultos, aqueles nas faixas de 25 a 39 anos e 40 a 59 anos de idade, representavam 78,2%. Já os idosos correspondiam a 7,3%.

A participação dos menores de idade (14 a 17 anos) na população ocupada apresentou tendência de queda do 4º trimestre de 2015 (2,2%) para o mesmo trimestre de 2016 (1,7%). Mesmo comportamento foi observado para o grupo de 18 a 24 anos que passou de 13,3% para 12,7%, no mesmo período. Para as demais categorias de idade a tendência foi de aumento na participação na população ocupada.

No 4º trimestre de 2016, no Brasil, entre as pessoas ocupadas, 28,1% não tinham concluído o ensino fundamental, 53,5% tinham concluído pelo menos o ensino médio e 18,5% tinham concluído o nível superior.

Nas regiões Norte (36,3%) e Nordeste (37,5%), o percentual de pessoas nos níveis de instrução mais baixos (não tinham concluído o ensino fundamental) era superior ao observado nas demais regiões. Nas regiões Sudeste (62,4%) e Sul (55,6%), o percentual das pessoas que tinham completado pelo menos o ensino médio era superior ao das demais regiões. A região Sudeste (21,9%) foi a que apresentou o maior percentual de pessoas com nível superior completo, enquanto a região Nordeste teve o menor (12,9%).

Proporção de trabalhadores por conta própria é maior no Norte e Nordeste

No 4º trimestre de 2016, a população ocupada era composta por 68,6% de empregados, 4,6% de empregadores, 24,5% de pessoas que trabalharam por conta própria e 2,3% de trabalhadores familiares auxiliares. Ao longo da série histórica da pesquisa essa composição não se alterou significativamente.

A pesquisa apontou diferenças regionais com relação à forma de inserção do trabalhador no mercado de trabalho. Nas regiões Norte (31,7%) e Nordeste (30,2%), o percentual de pessoas que trabalharam por conta própria era superior ao observado nas demais regiões. Em contrapartida, na categoria dos empregados foi constatado que as Regiões Sudeste (72,6%) e Centro-Oeste (71,7%) apresentaram participação maior destes trabalhadores.

Parte expressiva dos empregados estava alocada no setor privado (71,9%), 18,2% no setor público e os demais no serviço doméstico (9,9%).

Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis cliente. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;