Reportagem de O Globo, hoje, retrata o desemprego e a paralisia das obras tocadas pelas empreiteiras da Lava Jato.

Em duas, apenas – a Odebrecht e a Camargo Correa – estima-se em 68 mil demitidos. Como é notório que grandes obras são feitas em regime de subempreitada com empresas menores, que contratam o grosso do pessoal, pode multiplicar à vontade este número.

Como o dinheiro público também está ali, em esqueletos de concreto, além da devastação humana, pode-se apreciar também o desastre financeiro que a execução histérica dos processos de Curitiba provocou.

Trabalhadores demitidos e a população prejudicada pela paralisia dos projetos, certamente, não vão ter os milionários consolos dos empresários que firmaram acordos de leniência com multas que saem do caixa das empresas e vão para lugar nenhum.

mas outros também podem lucrar. O jornal faz, em outra matéria, logo abaixo desta, a louvação do dedo-duro remunerado, proposta norte-americana defendido pelo Ministério Público tupiniquim. Comemora-se o fato de que lá, desde que se profissionalizou o alcaguete, 34 pessoas receberam, por isso, US$ 111 milhões, ou R$ 357,4 milhões, em 5 anos.

Na média, R$ 10,5 milhões para cada dedo-duro.

Emprego bom, este de delator. Daqui a pouco, se a moda pega, vai ter criança respondendo àquela pergunta de “o que você vai ser quando crescer, meu filho?” com um sonoro e decidido:

-Dedo-duro, papai!

Tijolaço
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;