Jornal GGN - O governo Michel Temer foi avisado de que o Estado de Roraima não consegue "garantir a integridade física" dos presidiários e que é necessário injetar recursos federais para a construção de novas unidades prisionais além de transferir pelo menos oito detentos identificados como líderes de facções criminosas para penitenciárias controladas pela União.

Segundo reportagem da Folha, a demanda foi apresentada por meio de ofício, nesta segunda (9), pela governadora de Roraima, Suely Campos (PP). No informe, ela diz que a transferência dos líderes do crime organizado é necessária para "mitigar os conflitos internos na Penitenciária Agrícola de Monte Cristo", na qual 33 detentos foram exterminados na última sexta-feira (6).

A imprensa divulgou o massacre como retaliação à chacina que ocorreu no Amazonas, onde 56 detentos ligados ao PCC foram executados por aliados da Família do Norte, a terceira maior facção do país.

Além de R$ 10 milhões para construir mais presídios no estado, Suely Campos voltou a pedir a Temer o envio de 100 homens da Força Nacional para auxiliar a Policia Militar na segurança das unidades.

No ano passado, a governadora já havia solicitado ao ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, em caráter de urgência apoio do governo federal, bem como da Força Nacional de Segurança "em virtude dos últimos acontecimentos no sistema prisional do Estado de Roraima". Mas Moraes enviou uma nota dizendo que não poderia ajudar. Depois, negou a existência do pedido de ajuda e, desmentido por documentos, voltou atrás.

À época do pedido, que foi dias após uma chacina dentro de um presídio, Suely Campos informou que além da Força Nacional, seria necessária a doação de 180 pistolas para uso de agentes penitenciários.

Ainda de acordo com a Folha, o governo do Amazonas também solicitou reforço federal.

GGN
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário: