Dois livros do século XX, contundentes e proféticos, ajudam a desvendar a sociedade da imagem e do espetáculo do século XXI




O cinema, a tevê e a internet passaram a ter mais valor do que a realidade

O ano de 2016 foi profícuo em análises sobre a natureza ficcional da política contemporânea. A revista britânica The Economist partiu do óbvio: políticos sempre contaram mentiras. O problema é que agora eles parecem estar abandonando inteiramente o lastro da verdade.

Megan Garber, escrevendo para a revista norte-americana The Atlantic, relembrou oportunamente a obra clássica de Daniel Boorstin, publicada em 1962 – The Image: A guide to pseudo-events in America. Ao analisar o avanço da fotografia, do cinema, da tevê e da propaganda, o historiador alertou que a nossa sociedade estava substituindo a realidade por eventos dramatizados e trocando heróis por celebridades.

Boorstin observou que o dia a dia passou a ser habitado por pseudoeventos, acontecimentos não espontâneos que guardam uma relação ambígua com a reali­dade e são criados com o propósito específico de seduzir ou manipular a audiência. Pseudoeventos são mais dramáticos e atraentes que eventos espontâneos.

A imagem, seja um filme, uma foto ou uma notícia, é um simulacro da realidade, produzida para ser mais dramática e sedutora do que o fato. A imagem não é necessariamente uma mentira, mas pode ser. O notável é que o lastro do fato é pouco relevante.

O escritor italiano Umberto Eco certa vez observou que em um passeio pela reconstituição do Delta do Mississippi, em um dos parques temáticos Disney é possível ver mais jacarés do que no ambiente natural original e isso torna o fato de serem mecânicos completamente secundário.

Outra obra profética do século XX foi La Société du Spectacle, do pensador francês Guy Debord. O livro foi publicado em 1967, cinco anos após o de Boorstin. A espetacularização, para Debord, é consequência da evolução das condições de produção, que quebra a unidade de vida, extraindo as imagens e agrupando-as em uma grande e única corrente.

O espetáculo produz uma representação superior ao mundo real. Cria-se dessa forma um mundo à parte, onde a relação entre os indivíduos é mediada por imagens.

O espetáculo, ainda segundo Debord, manifesta-se na mídia de notícias, na propaganda, nas atividades culturais e nas interações pessoais. O espetáculo é uma narrativa totalizante que justifica, legitima e celebra o sistema. Toda a sociedade e os fenômenos sociais estão baseados e são permeados pelo espetáculo.

O habitante da sociedade do espetáculo é o espectador, ser que não vive, apenas contempla. Ele é eterno coadjuvante, pressionado a encontrar o seu papel e a desempenhá-lo. O espetáculo fornece o roteiro, o ato e a fala, e ainda avalia o desempenho, de acordo com critérios de excelência em representação.

O próprio espetáculo determina o que são necessidades e desejos válidos e adequados. No espetáculo, o indivíduo sem individualidade procura conforto para suas necessidades e seus desejos. É atendido pela experiência de emoções tão fortes quanto rasas.

A sociedade da imagem e do espetáculo, da pós-verdade, é uma estrutura disciplinadora, habitada por voyeurs que espiam obsessivamente a si mesmos e uns aos outros, produzindo e assimilando imagens.

Nas telas das tevês, dos computadores e dos telefones celulares, o espectador-voyeurpenetra no mundo do personagem-voyeur. Voyeurs são espias e objetos de espia. Tudo que era diretamente vivido, como observou Debord, foi reduzido a mera representação.

A imagem e o espetáculo avançam. O cinema já teve o monopólio de imagens. Hoje divide espaço com outros canais de produção e geração de imagens, como a tevê e a internet. O fluxo imagético não tem início nem fim.

A imagem não representa mais nada em especial, ela existe por e para ela mesma. Tem a finalidade de saciar uma demanda ansiosa por entretenimento e por emoções. E a sociedade a produz e consome, em notáveis ritos de auto-hipnose.

O cinema, a tevê e a internet passaram a permitir um prodígio: viver em um mundo no qual o simulacro tem mais valor do que a realidade. Medimos a realidade por sua contraparte virtual. O risco para uma sociedade maciçamente orientada para a imagem é a perda da noção de realidade ou, ainda pior, a perda da preocupação com a perda da noção de realidade.


CartaCapital
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;