A cúpula da diplomacia – e leia-se sempre relações econômicas internacionais ao ler-se diplomacia – brasileira está encaixada naquela tradicional e curiosa expressão: ser mais realista do que o rei.

Realista, aí, por óbvio, não se refere à realidade, muito ao contrário. É defender o império mais que o próprio imperador.

A coluna de Elio Gaspari – longe de bolivarianismos, portanto – de hoje é a tradução, em texto, do curioso episódio jornalístico de ontem.

Enquanto a primeira página do Estadão anunciava o abandono, pelo novo governo dos EUA do Tratado Transpacífico, no outro lado da folha de papel o ex-embaixador do Brasil nos Estados Unidos, Rubens Barbosa, defendia, em artigo, que uma das prioridades da diplomacia e do comércio brasileiros era…ingressar no tratado…

Gaspari, com toda a razão, diz que Trump fez todos – ou quase todos, porque aqui abundam estas exceções – se lembraram que os países precisam ter olhos em seus próprios interesses quando se trata de sua inserção mundial. Mais ainda aqueles países que, por seu tamanho e expressão, têm tudo para ter peso próprio no mundo, como é o nosso caso.

A estátua de Trump deve ficar no Itamaraty e a homenagem nada teria a ver com a essência de suas decisões. Serviria apenas para lembrar que os países precisam de políticas nacionais. Certas ou erradas, mas nacionais. Quem brinca de vagão acaba abandonado no meio da estrada.

O Brasil, que ensaiou tais políticas no Governo Lula tem, hoje, uma projeção diplomática com a dupla Michel Temer – José Serra que coloca o nosso país na estranha situação de alguém que se oferece para fazer “tudo o que o mestre mandar”, embora o mestre o esteja despachando solenemente. E o pior é que olha para o protecionismo arranjando supostas vantagens que, francamente, fariam inveja às repúblicas bananeiras.

“Vamos ter vantagens na venda de limões e laranjas”, diz um; “vamos vender mais para os países que Trump deixou de lado”, diz outro.

Bobagens de quem não consegue ir além da visão de gerente de supermercado ou vendedor de guarda-chuva em dia de temporal.

Não conseguem entender, senão no varejo, a intrincada guerra comercial que se abrirá no mundo e os efeitos financeiros de uma possível redução nos fluxos comerciais norte-americanos. Não vêem que os que ficarem órfãos do Transpacífico são novos concorrentes, desesperados com a ociosidade de estruturas produtivas montadas para atender o mercado americano.

Alguns pequenos exemplos: se Trump toma a iniciativa de chamar as montadoras norte-americanas, no segundo dia útil de governo, para ordenar-lhes que produzam automóveis por lá, o que se dirá da indústria aeronáutica, onde exportamos Embraer para eles? E as plantas de montagem de veículos do México, com o mercado dos EUA sendo progressivamente fechado, vão transferir para onde o seu olhar? Montadoras são empresas globais, que podem numa simples ordem transferir produção para lá e para cá, quando lhes for conveniente.

Mas a nossa visão mais colonialista que a da Metrópole, só nos enxerga como exportadores de grãos e minérios e, no caso do petróleo, a de simples concedente de jazidas.

Ser mais realista do que o rei é, como se vê, sentimento próprio de quem tem a vassalagem como razão de existir.


TIJOLAÇO
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis cliente. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;

Gostou do Blog? Divulgue. Curta. Compartilhe. Colabore. Aproveite os preços baixos dos livros. AQUI Últimos livros Anunciados e AQUI Tabela de Preços Promocionais