O Globo



Manchete: Rebelião com 26 mortos agrava crise no sistema


Além do motim de presos no Rio Grande do Norte, houve fugas em 3 estados

Polícia entrou em presídio após 14 horas de confrontos entre facções rivais e encontrou a maioria dos corpos decapitados. Governo federal espera obter a adesão ao Plano Nacional de Segurança em reunião amanhã

A terceira rebelião em 15 dias em presídios do país causou pelo menos 26 mortos, agravando a crise no sistema penitenciário. Facções rivais se enfrentaram durante 14 horas em duas cadeias no Rio Grande do Norte e deixaram a maioria dos corpos decapitados. Com isso, o número de mortes desde o início das rebeliões subiu para 125. Ocorreram também fugas de 76 detentos em cadeias do Paraná, de Minas Gerais e da Bahia. O governo federal espera que na reunião de amanhã com secretários dos estados haja adesão ao Plano Nacional de Segurança, anunciado na semana passada após rebeliões no Amazonas e em Roraima. (Pág. 3)

Cresce pedido de vagas nas prisões federais

O sistema penitenciário federal, que abriga presos com maior grau de periculosidade, está próximo do limite adequado de ocupação, e já há pedidos para a inclusão de mais 104 detentos. Novas solicitações estão previstas. (Pág. 4)

Promotor: cadeia é ‘escritório’ do crime (Pág. 4)


Diagnóstico é lento, diz pesquisadora


Para conter o surto de febre amarela em Minas Gerais, onde o governo investiga 38 mortes, é preciso agir rapidamente, afirma a bióloga Márcia Chame, da Fiocruz. Segundo ela, as vacinas estão sendo entregues, mas ainda há demora para confirmar o diagnóstico da doença, o que dificulta o combate. O ministro da Saúde disse que o quadro é de alerta, mas assegurou que a situação “está sob controle”. (Pág. 22)


Inclusão para negros


O Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) cria programa para ampliar participação de negros em grandes empresas. (Pág. 15)


Maduro ignora Parlamento


Em vez de prestar contas de seu governo na Assembleia Nacional, o presidente Maduro discursou no Tribunal Superior de Justiça, gerando mais críticas por parte da oposição. (Pág. 21)


------------------------------------------------------------------------------------

O Estado de S. Paulo





Manchete: Motim no RN tem 26 mortos; no ano, rebeliões deixam 119 vítimas


Membros do PCC invadiram penitenciária que abrigava rivais; todos os corpos foram decapitados e dois, esquartejados

Uma rebelião que durou 14 horas deixou, entre a tarde de sábado e a manhã de ontem, ao menos 26 detentos mortos na Penitenciária Estadual de Alcaçuz e no Pavilhão Rogério Coutinho Madruga, em Nísia Floresta, a 25 km de Natal (RN). Seis presos do Primeiro Comando da Capital (PCC) foram apontados como líderes da chacina. O governo estadual quer transferi-los para outros presídios. O motim começou quando detentos do PCC abrigados no Pavilhão Rogério Coutinho Madruga pularam o muro da penitenciária de Alcaçuz, onde ficam detentos do Sindicato RN, facção aliada à Família do Norte (FDN) e ao Comando Vermelho (CV). A polícia só entrou por volta das 7h30 de ontem. Todos os mortos foram decapitados e dois corpos, esquartejados. As mortes no Rio Grande do Norte são mais um capítulo da guerra de facções nos presídios. Na virada do ano, presos da FDN lideraram o massacre de 60 presos do PCC em Manaus. Em retaliação, o PCC matou 33 rivais em Boa Vista. A disputa por rotas de tráfico e o avanço do PCC nas cadeias do Norte e do Nordeste estão entre os motivos. (METRÓPOLE / PÁGS. A11 e A12)

Direto da Fonte

Especialista em crime organizado, Walter Maierovitch diz que o governo não tem estratégia para lidar com o caos penitenciário: “Estado tem de mandar na cadeia e atacar a base econômica das máfias”. (CADERNO 2 / PÁG. C2)

No Paraná e em Minas Gerais, 38 fogem de prisões

Paraná e Minas Gerais registraram fugas em presídios ontem. Na penitenciária de Piraquara, cidade próxima a Curitiba, 28 presos fugiram após um muro ser explodido pelo lado de fora – dois detentos morreram na troca de tiros com a polícia. Em Ibirité, na região metropolitana de Belo Horizonte, dez presos serraram as grades das celas e escaparam durante a madrugada. (METRÓPOLE / PÁG. A12)


‘O pior na economia já passou’, afirma Meirelles


Oito meses após assumir o comando da economia em meio a grave crise, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, acredita que a situação mais crítica já foi superada. Em entrevista a Marcelo de Moraes, da Coluna do Estadão, ele reconhece que ainda haverá demora para a retomada do emprego, mas diz que a recente queda na taxa de juro vai ajudar o Brasil a se recuperar mais rapidamente. “Ao contrário do que aconteceu no passado, a redução de juros agora é sólida, baseada na queda da inflação. O Banco Central está agindo tecnicamente e rigorosamente. E o corte do juro fará com que o País volte a crescer rapidamente”, afirmou. Para Meirelles, o Brasil “finalmente, está enfrentando seus problemas”. (POLÍTICA / PÁG. A4)


Quatro bancos têm 72% de ativos totais


Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal e Itaú detêm 72,4% dos ativos totais dos bancos comerciais do País, segundo o Banco Central. Para a Proteste, baixa concorrência prejudica o consumidor. (ECONOMIA / PÁG. B1)


Alckmin quer prévias para definir candidato (Política/ Pág. A4)





Vera Magalhães


Para melhorar sua avaliação, Temer tenta vender que o governo está no caminho da retomada. (POLÍTICA / PÁG. A6)


Notas & Informações


Entre princípios e picaretagem

O assunto com o qual quase todos os deputados estão preocupados é a nomeação para cargos. (PÁG. A3)

A contribuição da filantropia. (PÁG. A3)


------------------------------------------------------------------------------------

Folha de S. Paulo





Manchete : Em 39 massacre do ano, 26 presos morrem no RN


Rebelião começou no sábado; total de mortes dentro de presídios chega a 134

Ao menos 26 presos morreram em rebelião no sábado (14) na Penitenciária de Alcaçuz, na região metropolitana de Natal (RN), a maior do Estado. O conflito foi controlado às 8h de domingo. Dois mortos foram carbonizados, e os demais, decapitados. Com isso, o número de assassinatos em presídios pelo país chega a 134 neste ano —em 2016, foram 372 mortes.

Sem estrutura no IML, o governo alugou um caminhão refrigerado para transportar as vítimas. A identificação deve levar um mês. “Quando um decide matar o outro, ê muito difícil o Estado evitar”, disse Walber Virgulino, secretário de Justiça e Cidadania do Estado.

Em outros desdobramentos da crise, 76 detentos fugiram no PR, em MG e na BA durante o fim de semana. Em Piraquara (PR), dois presos foram mortos em fuga. Segundo o governo do Paraná, a ação foi preparada pelo PCC. (Cotidiano B1)


Governo de São Paulo ‘exportou’ a facção criminosa PCC com a política de transferir presos para outros Estados (Cotidiano B3) escreve Rogério Gentile. B3





Doria precisa ter o ônibus como sua prioridade


Nada é tão essencial para a administração paulistana quanto os transportes públicos. As urgências: finalizar a licitação da nova rede, construir corredores de ônibus e eliminar cobradores. Por fim, o prefeito poderá adotar o pedágio urbano. (Cotidiano B2)



Senado dobra gasto extra com correio e passagens


Os senadores dobraram os gastos extras com combustível, viagens e Correios entre 2014 e 2016. Segundo levantamento obtido pelo Folha, esse tipo de despesa passou de R$ 2,4 milhões (valores atuais) para R$ 4,8 milhões.

Já a cota parlamentar, que inclui esse tipo de beneficio e varia entre os senadores, caiu de R$ 27 milhões para R$ 24 milhões no período. (Poder A4)



Tribunal eleva ou mantém 70% das penas aplicadas por juiz Moro (Poder A6)





Fórum de Davos quer repensar o capitalismo


O Fórum Econômico Mundial de Davos, que começa amanhã, terá discussões pouco usuais para o encontro anual, informa o enviado especial Clôvis Rossi.

Hoje haverá a divulgação de um relatório que propõe “uma nova agenda de crescimento e desenvolvimento”, com mais atenção para O “povo”. (Mercado A17)



Banco Safra ganha exclusividade para câmbio em Cumbica (Folhainvest A13)





Ronaldo Lemos


Cibersegurança é tema geopolítico à deriva no país

Nenhum país pode desprezar a cibersegurança. Trata-se de requisito para assegurar um mínimo de soberania digital. Na administração pública brasileira, porém, esse tema é inexistente. Precisamos parar de passar vergonha nessa área. (Folhainvest A1)



Países mandam a Trump e Israel recado sobre paz no Oriente Médio (Mundo A8)





Editoriais


“Satisfação atrasada”, a respeito da redução da taxa Selic, e “Mosaico fluminense”, acerca da má administração em prefeituras do Rio de Janeiro. (Opinião A2)


------------------------------------------------------------------------------------

Mídia
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis cliente. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;

Gostou do Blog? Divulgue. Curta. Compartilhe. Colabore. Aproveite os preços baixos dos livros. AQUI Últimos livros Anunciados e AQUI Tabela de Preços Promocionais