"Os sinais não são bons. A veterana jornalista Claire Hollingworth morreu dia desses, aos 105 anos. Finian Cunningham comentou a morte dela e a amnésia que acomete todos sobre o que significa a OTAN reunir 1.000 de seus tanques no leste da Europa





"Não acontecerá aqui" – Revolução Colorida à força 

14/1/2017, Moon of Alabama

Dos Comentários ao postado, na página de MoA

"Os sinais não são bons. A veterana jornalista Claire Hollingworth morreu dia desses, aos 105 anos. Finian Cunningham comentou a morte dela e a amnésia que acomete todos sobre o que significa a OTAN reunir 1.000 de seus tanques no leste da Europa:
"Evidência dessa aparente amnésia coletiva viu-se por ocasião da morte da veterana jornalista britânica Clare Hollingworth, que morreu essa semana aos 105 anos.

Hollingworth é autora do "furo do século", em 1939, quando foi a primeira voz jornalística a noticiar a invasão dos nazistas à Polônia, que deflagrou a 2ª Guerra Mundial. Manchete de sua matéria original publicada dia 29/8/20139 no britânico Daily Telegraph: "1.000 tanques estacionados na fronteira polonesa." Postado por Yonatan | Jan 15, 2017 12:43:14 PM | 3
__________________________________

A estratégia do "Donald Trump ama a Rússia" e "Rússia é do mal" foi propagandeada pela campanha eleitoral de Clinton. Cresceu sempre, desde o constante incitamento dos EUA contra Rússia depois que o golpe dos EUA na Ucrânia fracassou parcialmente e depois que a Rússia postou-se ao lado do governo de Assad na Síria. Hillary Clinton como secretária de Estado foi a principal força que moveu adiante a campanha anti-Rússia. Quando Clinton foi derrotada por Trump o tema foi mantido, então já conectando Trump e a Rússia, e ativado por alguns setores da comunidade de inteligência dos EUA.

Department of Homeland Security (DHS) [Departamento de Segurança Nacional] e o FBI publicaram um relatório de propaganda 'denunciando' o que seria nefanda ciberatividade dos russos durante a eleição, sem apresentar prova de coisa alguma. O relatório apareceu junto com a expulsão de 35 diplomatas russos pelo governo Obama. Na sequência, o DHSplantou no Washington Post uma falsa história de uma ciberinvasão russa numa instalação em Vermont.

O Diretor da Inteligência Nacional, Clapper, deu andamento à história com um 'relatório' de suposta interferência dos russos nas eleições. Até Masha Gessen, putinófoba empenhadíssima, considerou a coisa peça de propaganda de má qualidade. O DIN então ajudou a publicar um "relatório" do MI6 " de 'agentes' inventados, todos 'comprovando' a influência dos russos sobre Trump. E em movimento sem precedentes em termos de escalada bélica, o Pentágono mandauma brigada completa e outros agentes para a fronteira da Rússia.

Agora, o diretor da CIA 'manda' o presidente eleito "segurar a língua". Alguém algum dia ouvir falar de precedente, de um desses paus mandados da "inteligência" ameaçar nesse tom o presidente eleito, três dias antes da posse?

Tudo considerado, trata-se de atenta campanha de propaganda para reforçar o esquema que La Clinton e seus capatazes vêm promovendo já há bastante tempo: a Rússia é do mal e representa perigo. Trump é aliado da Rússia. É preciso fazer alguma coisa contra Trump, mas, mais importante, contra a Rússia.

Propaganda funciona. A campanha está obtendo alguns efeitos:

Os norte-americanos estão mais concentrados do que antes de a campanha presidencial começar, atentos à ameaça potencial que a Rússia representaria contra o país, segundo pesquisa Reuters/Ipsos divulgada na 6ª-feira. A pesquisa, que entrevistou gente entre 9-12/1, registrou que 82% dos norte-americanos adultos (84% Democratas, 82% Republicanos) descreveram a Rússia como uma "ameaça" em geral aos EUA. É mais gente que os 76% em março, quando foram propostas as mesmas perguntas.

Campanhas assim caras e amplas não acontecem por acaso. Elas têm objetivos e alvos maiores.

Originalmente, a campanha foi dirigida só contra a Rússia com o objetivo aparente de reacender uma guerra fria (muitíssimo lucrativa). Vista com algum distanciamento, a campanha agora já tem todos os sinais típicos de preparação para uma típica revolução colorida induzida pela CIA:

Em muitos casos, não em todos, massivos protestos de rua depois de eleições muito disputados, ou 'convocação' para 'eleições justas', levaram à renúncia ou a derrubada de governantes que seus inimigos e a oposição haviam definido como autoritários.



Ainda faltam nos EUA as manifestações de rua e tumultos violentos entre a população civil.

Diferente das revoluções coloridas que a CIA disparou na Geórgia (2003), na Ucrânia (2004) e em outros pontos, as mais recentes "revoluções coloridas" instigadas pelos EUA (tentativas de golpes de estado putschistas) sempre vieram acompanhadas do uso de força pelos "manifestantes pacíficos". Revoluções coloridas desse tipo, com uso de força armadaforam instigadas na Líbia, na Síria e na Ucrânia.

Um denominador comum de todas elas são os primeiros ataques armados que partem do "lado do bem", contra o "lado do mal", ao mesmo tempo em que a propaganda repete que "o lado do mal" teria começado o tiroteio e a violência. O "lado do bem" sempre estava "em manifestação pacífica", até quando morrem soldados e policiais "do mal".

Foi o que aconteceu na Líbia, onde os EUA e seus procuradores do Golfo usaram jihadistas de Benghazi aliados da al-Qaeda como "manifestantes pacíficos" contra o governo; na Síria a Fraternidade Muçulmana apoiada por OTAN e pelo Golfo matou policiais e soldados nas "manifestações pacíficas" em Deraa; e na Ucrânia atiradores fascistas adestrados, do alto do telhado de um hotel controlado pela oposição' mataram manifestantes e policiais. Três eventos ocorridos quando Hillary Clinton era secretária de Estado.

Houve avisos sobre revolução colorida em marcha nos EUA, vindos de diferentes grupos extremistas em todo o espectro político. Antes da eleição, o neoconservador Jackson Diehl clamava que "Putin" estava preparando uma revolução colorida contra a presidenta eleita Clinton, para entregar o trono a Donald Trump. Com a vitória justa e acachapante de Trump sobre Clinton, aquele enredo deixou de fazer sentido. Depois da eleição Wayne Madsen, sempre promotor de conspirações, imediatamente "descobriu" que Clinton e George Soros estavam lançando uma revolução colorida contra Trump.

O que não falta nos EUA são lunáticos dispostos a atirar contra multidões. Nas atuais circunstâncias, ninguém precisa de furiosas teorias de conspiração ou de enredos nefandos para considerar algumas questões do tipo "e se...?" [Fim do trecho traduzido. Absolutamente NÃO É HORA de dar ideias a McCains, Clintons, Kissingers,Brzezinskis, Obamas & outros malucos.] *****

Grupo Beatrice
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;