De propriedades inventadas a tráfico de influência que nunca aconteceu, Lula e sua família colecionam calúnias de que já foram vítimas


A sede da Esalq/USP; boatos dão conta de que filho de Lula é o verdadeiro dono da sede da instituição



Não é de hoje que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e sua família são vítimas de mentiras e boatos infundados. Não raramente, tais mentiras são repetidas e fomentadas por setores da imprensa, partidos políticos e até autoridades policiais.

Sempre buscando atingir a imagem do ex-presidente, as mentiras ganham mais força em períodos eleitorais, sempre com o objetivo de prejudicar o desempenho de Lula nas urnas. Via de regra, a estratégia resulta em fracasso, mas já houve casos em que o golpe baixo atingiu seus objetivos.

De envolvimento com sequestros a propriedade inventada de grandes imóveis, no Brasil ou no exterior. De tráfico de influência a estratagemas para obter favorecimentos jurídicos. Leia, abaixo, a lista de mentiras já inventadas contra Lula, todas devidamente desmentidas com provas ao longo dos tempos.



- "Lula é dono de mansão no Morumbi"

Remonta ao início dos anos 1980 a primeira boataria de grandes proporções de que foi vítima o ex-presidente Lula. À época, ele recém fundara o PT, então um partido de proporções bem mais modestas do que hoje, com poucos mandatos eletivos conquistados.

Era o tempo em que pessoal que panfletava nas portas de fábricas em favor do PT ouvia rumores de que Lula tinha uma enorme mansão no Morumbi, e eram todos do partido uns tolos por acreditar no ex-sindicalista e no partido que fundara.

A boataria só teve fim no ano de 1984, quando o ex-repórter da TV Globo Chico Maufitani apresentou reportagem em rede nacional mostrando a verdadeira residência de Lula. Ele mesmo recorda: "Como muita gente dizia na época que 'o Lula estava morando numa mansão no Morumbi, depois que ele deixou o sindicato', resolvi abrir uma reportagem mostrando a verdadeira casa do Lula em São Bernardo. Filmamos Lula apitando um jogo de futebol de garotos, em frente à casa que ele morava. Depois, tomei café da manhã com Lula, Marisa e os filhos do casal."



- A falsa ligação entre Lula e o PT com sequestradores de Abílio Diniz

O empresário Abilio Diniz, ex-proprietário do Grupo Pão de Açúcar - foi sequestrado na capital paulista, em 11 de dezembro de 1989, entre o primeiro e o segundo turnos das eleições presidenciais de 1989, que estavam sendo disputadas em sua reta final por Lula e Fernando Collor de Mello.


Diniz foi libertado após ficar seis dias em cativeiro. O grupo de sequestradores era formado por quatro chilenos, três argentinos, dois canadenses e um brasileiro, ligados ao Movimento da Esquerda Revolucionária (MIR), que exigia resgate de US$ 30 milhões para libertar o empresário.

Após o estouro do cativeiro, a polícia paulista apresentou camisetas do PT e material de campanha de Lula, que teoricamente teriam sido encontrados em imóveis alugados pelo grupo de criminosos. O material acabou relacionando o Partido dos Trabalhadores à ação do MIR. Fernando Collor, então, fez farto uso do material em sua campanha.

A libertação do empresário aconteceu na véspera do segundo turno da eleição, quando Lula perdeu para Collor. A vinculação dos sequestradores ao PT foi avaliada como uma das causas da derrota do petista. A polícia só encerrou as investigações e colocou fim aos boatos meses depois das eleições, quando Collor já ocupava a Presidência da República.

O jornalista e escritor Mário Sérgio Conti esclareceu os fatos em seu livro "Notícias do Planalto", publicado anos depois das eleições de 1989. "As investigações posteriores provaram que nenhum militante do PT estivera envolvido no sequestro de Abílio Diniz. Os sequestradores disseram em juízo que policiais civis os torturaram e, antes de os apresentarem à imprensa, os forçaram a vestir camisetas do PT."

"A Polícia Civil estava sob o comando do secretário da Segurança, Luiz Antônio Fleury Filho. A vítima, Abílio Diniz, protestou contra a tortura de seus algozes. Quase um ano depois, em outubro de 1990, o governador de São Paulo, Orestes Quércia, superior imediato de Fleury, disse numa entrevista ao Estado de S. Paulo que durante o sequestro 'houve pressões no sentido de que se conduzissem as investigações para envolver o PT'".




- As mentiras de Fernando Collor sobre a filha Lurian

Poucos dias antes do segundo turno das eleições presidenciais de 1989, Miriam Cordeiro, ex-namorada do então candidato do PT à Presidência, Lula, apareceu no programa eleitoral de seu adversário, Fernando Collor, para acusar o pai de sua filha Lurian de supostos defeitos morais. Ela o acusara de ser “racista”, “abortista” e de desprezar a filha que tinham tido.

Lula obteve direito de resposta concedido pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral) e, a pedido da própria filha, levou-a para frente das câmeras, onde desmentiu tudo que foi dito. Mas o estrago já havia sido e esta mentira foi mais um episódio a contribuir para derrota de Lula nas urnas em 1989.

Foi só anos mais tarde que a verdade veio à tona. Em entrevista ao Jornal do Brasil, a própria Miriam Cordeiro revelou que fora paga por Collor para caluniar o pai de sua filha naquele programa eleitoral. Sob o título "A vida confortável de Miriam Cordeiro" (veja imagem acima) a reportagem não deixava margem para dúvidas, tampouco as revelações de Miriam, que afirmou, referindo-se a contas de vida particular: "Eles (equipe de campa de Collor) pagavam tudo".




- Filho de Lula é dono da Friboi e da sede de uma faculdade pública


Quem é usuário do serviço de táxis na cidade de São Paulo certamente já ouviu algum motorista dizer que "o filho de Lula é dono da Friboi". A Friboi é uma das maiores - se não a maior - indústria de proteína animal do mundo. Todas as mudanças em seu quadro acionário são acompanhadas de perto pelo mercado financeiro e ela imprensa econômica. Fosse de fato algum filho de Lula um dos donos da Friboi, não haveria como tal fato não ser de conhecimento nacional, nem deixar de ganhar as páginas dos principais jornais do país.

Tal truísmo, no entanto, não é suficiente para barrar os boatos, que pululam nas redes sociais, sobre a propriedade de Luis Cláudio da Silva sobre a Friboi e muitos outros patrimônios, incluindo aviões, fazendas e até o campus de uma universidade pública.

A própria Friboi já teve que vir a público se manifestar contra a mentira. Já o alvo da boataria, Fábio Luis, á fez até B.O. na polícia na tentativa de conter os mentirosos. De acordo com reportagem publicada no jornal Brasil Econômico em abril de 2014, chegaram a ser identificadas pelo menos seis pessoas dentre as que espalham mentiras sobre patrimônio de Fábio Luís. Um deles, diz o jornal, é Daniel Graziano, filho do tucano Xico Graziano, ex-chefe de gabinete e ex-secretário particular de Fernando Henrique Cardoso.

Seis internautas foram chamados a depor e cinco compareceram. Intimados, justificaram-se dizendo acreditar que os comentários sobre compra de fazendas e aviões fossem verdadeiros. Desculparam-se, também, alegando que não teriam “pensado na hora de fazer as postagens”. Apenas um dos intimados, justamente Daniel Graziano, não compareceu. À época, ele era gerente administrativo e financeiro do Instituto Fernando Henrique Cardoso.

O autor de um dos últimos boatos apresentou como casa central de uma “fazenda de Fábio," em Araçatuba (SP), onde o ex-presidente teria passado o carnaval deste ano, a majestosa sede da Escola Superior de Agricultura Luís de Queirós (Esalq - USP), de Piracicaba (SP).




- "Lula recebeu por palestras que jamais proferiu"

Procuradores do Ministério Público Federal no Paraná, responsáveis pelas investigações da Operação Lava Jato, afirmaram em mais de uma oportunidade que tinham desconfiança e convicção de que Lula não havia proferido as palestras que proferiu a empresas ao redor do mundo.

Após deixar a Presidência da República, em 2010, Lula era reconhecido mundialmente como um estadista que acabara de realizar a maior transformação social que o país já vivera. Passou a cobrar para dar palestras o mesmo valor que cobrava o ex-presidente Bill Clinton, e empresas como a InfoGlobo, que edita os jornais O Globo e Extra, não hesitaram em pagar, conforme já publicou a empresa, em reportagem nO Globo: "Além de divulgar o evento em seus jornais, a Infoglobo arcou com os custos dos palestrantes, inclusive do ex- presidente Lula".

Nada disso foi suficiente para aplacar a forte convicção dos procuradores da Lava Jato de que havia algo de errado com as palestras de Lula. Foi preciso que o Instituto Lula divulgasse a lista completa de palestras, bem como vídeos de algumas delas, proferidas em países tão díspares quanto Inglaterra e Angola, para acabar com a boataria que teve origem no núcleo duro do Ministério Público Federal no Paraná.

.

- "Lula é dono de uma mansão no Uruguai"

No ano passado, a revista Isto É, que recentemente fechou contrato milionário de publicidade com a Presidência da República , publicou reportagem em que afirmava ser Lula proprietário de uma mansão no Uruguai, na praia de Punta del Este.

Sem apresentar qualquer documento que comprovasse a exótica tese, o semanário se baseava em boatos ouvidos de guias turísticos. Em que pese a falta de provas e a negativa do ex-presidente, a revista não deixou de publicar matéria de capa sobre o assunto. O jornalista da TV Globo Alexandre Garcia, então, deixou-se enganar pelo boato, e passou também a espalha-lo.

Semanas depois, visivelmente constrangido, Garcia publicou um desmentido de si mesmo, pedindo desculpas a Lula e a todos os seus leitores, ouvintes e telespectadores. A íntegra do áudio com as desculpas do jornalista pode ser ouvida aqui. Já a revista Isto É, que está sendo processada por Lula e intimida a apresentar provas sobre o que publicou, ainda não se manifestou publicamente sobre o assunto.



- "Lula pediu favores a Gilmar Mendes"; o próprio ministro desmente anos depois

Durante a década de 2000, no curso do processo do Mensalão, Lula foi repetidamente acusado por setores da imprensa — em especial pela revista Veja — de pedir ao ministro do STF Gilmar Mendes que mudasse a data do julgamento dos processos do Mensalão.

Os pedidos teriam interesse partidário, Lula estaria de olho no calendário eleitoral, objetivando não prejudicar os candidatos do PT. O ministro Mendes nunca desmentiu nada, deixou que a versão apresentada pelos veículos de imprensa conservadores prosperasse à vontade.

Isso até a semana passada, quando Mendes teve que se explicar por ter pego uma carona com o presidente em exercício, Michel Temer, até Portugal, onde o jurista queria passar férias.

Em entrevista ao jornal O Globo, tratando do assunto, ele, sem querer, revelou que Lula fora vítima de mais uma mentira, consentida por Mendes ao longo de todos esses anos: "Jantei inúmeras vezes com Lula no Palácio da Alvorada, e as nossas mulheres sempre mantiveram um relacionamento de amizade. Mas nunca acenei com facilidades, e Lula nunca me pediu nada".


- As mentiras da vez: tríplex do Guarujá e sitio de Atibaia


Atualmente, a mentira que se conta é a de que Lula seria dono de um apartamento no Guarujá e de um sítio em Atibaia. Líder nas pesquisas de intenção de voto para as eleições presidenciais de 2018, o ex-presidente sabe o boato não será desmentido de livre e espontânea vontade tão cedo.

Os advogados de Lula não se cansam de provar na Justiça que essas não passam de mais mentiras a serem somadas à extensa lista de que Lula é vítima. Mais uma vez, como em todas as outras, o tempo se encarregará de trazer a verdade à tona.


Lula.com.br
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;