A senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), na sua primeira coluna deste 2017, nesta segunda (30), cita o pensador Achille Mbembe para explicar o Brasil da atualidade: “… vemos claramente em nosso país o embate entre a democracia social e o capitalismo neoliberal, entre o governo das finanças e o governo do povo”.

Gleisi chama de “quartelada parlamentar” o golpe urdido para desmontar o Estado de bem-estar social mínimo construído ao longo dos últimos 30 anos.

A colunista aponta a reforma da previdência ansiada pelo ilegítimo Michel Temer (PMDB)como um ataque aos mais pobres e visa inviabilizar a aposentadoria dos trabalhadores.

“Como disse Achille Mbembe, outro longo e mortal jogo começou. Resta-nos, então, abraçar de corpo e alma essa luta”, exorta Gleisi Hoffmann.

Leia a íntegra da coluna:

Outro longo jogo começou

Gleisi Hoffmann*

Li, há poucos dias, o artigo de Achille Mbembe, um brilhante pensador da atualidade. Nascido em Camarões e referência acadêmica na pesquisa do pós-colonialismo, esse cientista político estudou na França, deu aula nos Estados Unidos e na Europa e atualmente leciona na Universidade de Witwatersrand, na África do Sul.

Em seu recém-publicado “A era do humanismo está terminando”, Mbembe traça um quadro desafiador para a humanidade, ao refletir sobre a hegemonia global do capital financeiro em aliança com o poder tecnológico e militar. Nessa nova paisagem, ressalta ele entre tantos outros prognósticos, o culto à razão perde valor e o conhecimento será definido como conhecimento para o mercado.

Diz o historiador: “Outro longo e mortal jogo começou. O principal choque da primeira metade do século XXI não será entre religiões ou civilizações. Será entre a democracia liberal e o capitalismo neoliberal, entre o governo das finanças e o governo do povo”. E alerta: “A crescente bifurcação entre a democracia e o capital é a nova ameaça para a civilização”.

Pensei que para falar sobre os desafios que 2017 nos apresenta, seria importante lembrar de Achille Mbembe. Pra mim está claro que vivenciamos no Brasil hoje a ameaça citada pelo autor. Ou seja, vemos claramente em nosso país o embate entre a democracia social e o capitalismo neoliberal, entre o governo das finanças e o governo do povo.

A partir da consumação do golpe que derrubou com falsos argumentos a presidenta Dilma, eleita legitimamente pelo povo brasileiro, ficou evidente que por trás da quartelada parlamentar estava o desmonte do Estado de bem-estar social mínimo construído ao longo dos últimos 30 anos, aprofundado nos governos de Lula e de Dilma. Nós erguemos apenas um degrau desse Estado, mas isso está sendo descontinuado em favor do capital financeiro, de se pagar juros estratosféricos da dívida e a favor de uma elite que vive de rendimentos e não tolera a ideia de termos um País desenvolvido e justo para todos, que não tem conceito nem projeto de Nação. É o nosso choque de valores.

Parte também dessa mesma elite o desejo intrínseco de entregar nossos bens e riquezas naturais ao capital internacional, como se ele fosse mais eficiente e sério para gerir nossas riquezas. Além de privilegiar companhias estrangeiras no segmento de petróleo e gás e preparar o caminho para a privatização da Petrobras, o governo ilegítimo que tomou o poder negocia a doação da base espacial de Alcântara, no Maranhão, aos norte-americanos. Estuda também transferir para empresas daqui e de fora a gestão da rede de telecomunicações usada pela Aeronáutica para a defesa, vigilância e controle do tráfego aéreo. Estaremos novamente submissos ao capital externo. É o entreguismo em sua forma mais despudorada.

Se não bastasse tamanha falta de patriotismo, o grupo que se aliou a Michel Temer nessa criminosa estratégia já colocou em prática a sua terceira maior ofensiva: a reforma da Previdência, pela qual querem reduzir ao mínimo possível os benefícios assistenciais que amparam a maioria da população, principalmente os mais pobres e ainda inviabilizar a aposentadoria dos trabalhadores aumentando prazo de contribuição. Para completar a maldade, logo entrará em pauta a reforma trabalhista.

Nós, parlamentares e pessoas comprometidas com a soberania do Brasil e com o bem-estar do povo brasileiro, temos um enorme desafio neste ano que se inicia. Grande parte do Congresso se aliou aos interesses dessa classe que tenta impor à Nação o que há de mais perverso no receituário do ultraliberalismo. Por isso, deputados e senadores que lutam contra esse modelo repudiado em boa parte do mundo precisam se aliar aos movimentos sociais e à população que está sendo diretamente atingida por essas medidas. Só o povo nas ruas e a intensa mobilização dos movimentos sociais serão capazes de impedir o Congresso de referendar a fúria destruidora dos golpistas. Sem essa ajuda, será difícil estancar tal atentado às conquistas populares e à própria democracia.

Como disse Achille Mbembe, outro longo e mortal jogo começou. Resta-nos, então, abraçar de corpo e alma essa luta.

*Gleisi Hoffmann é senadora da República pelo Paraná. Foi ministra-chefe da Casa Civil e diretora financeira da Itaipu Binacional. Preside a Comissão de Assuntos Econômicos do Senado (CAE). Escreve no Blog do Esmael às segundas-feiras.
Blog do Esmael
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis cliente. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;

Gostou do Blog? Divulgue. Curta. Compartilhe. Colabore. Aproveite os preços baixos dos livros. AQUI Últimos livros Anunciados e AQUI Tabela de Preços Promocionais