O desemprego e a crise fazem aumentar cada vez mais a demanda pelo SUS. Mas qual sistema restará dos ataques à saúde pública? Por Ana Maria Costa, diretora do Centro Brasileiro de Estudos de Saúde (Cebes)


Ana Maria Costa (*)

Este texto faz parte do especial 2017 x 24 – visões, previsões, medos e esperanças da edição número 113 da Revista Brasileiros, em que articulistas e colaboradores foram convidados a pensarem sobre o que e o quanto podemos esperar para nosso País em 2017.




Cartaz de ocupação do prédio do Ministério da Saúde, em Salvador, na Bahia. Foto: OcupaSUS

Não sobram dúvidas quanto aos avanços conquistados pelo povo brasileiro a partir da existência do Sistema Único de Saúde (SUS). O sistema reduziu indicadores de mortalidade e morbidade e ampliou o acesso a serviços essenciais. Criado como parte do Sistema de Seguridade Social para ser universal e garantir a qualidade da atenção, o SUS deve ser reconhecido como essencial para um projeto nacional de desenvolvimento, cujo sentido é o bem-estar coletivo.

O quadro político atual nos mostra, entretanto, que estamos longe disso. O fortalecimento de poder para os grupos mais conservadores e o aprofundamento da agenda neoliberal comprometem a sobrevivência e o desenvolvimento do SUS conforme concebido como direito e obrigação do Estado.

Fato é que os golpes contra o SUS e as tensões de interesses a ele relacionados não são recentes. Nos últimos dois anos, porém, ficou mais claro que o nosso sistema, tal como fora concebido, não teria um futuro pródigo como quiseram os constituintes. Essa decisão nem sequer depende hoje somente do interesse ou da vontade nacional, já que a saúde tem sido consagrada como setor estratégico para o mercado, inclusive o financeiro – que não tem pátria.

Documentos oriundos de organismos internacionais – Rockfeller, MacArthur, Banco Mundial, entre outros – têm explicitado o jogo e, sem pudores, se servem de conceitos distorcidos da cobertura universal. Cobertura essa realizada por meio de “pacotes” assistenciais comprados no mercado pelo Estado, ao modo do perverso e excludente sistema de saúde colombiano.

A sequência de iniciativas do Congresso Nacional evidencia a força e os interesses do mercado atuando às claras na Casa. É nesse contexto que se deu a abertura da saúde ao capital estrangeiro, aprovada há dois anos. A iniciativa já exibe seu caráter predatório. Os mercados financeiros coreanos e de outras procedências adquiriram hospitais e serviços diagnósticos. Suas medidas e iniciativas não se somam às nossas necessidades. Não nos enganemos: eles aqui estão para ampliar lucros.

O discurso do atual ministro da Saúde, Ricardo Barros, está em absoluta consonância com essa ideia que sepulta a saúde como direito social tanto ao mencionar que a Constituição e o SUS não cabem no Brasil como ao preconizar os chamados “planos populares”. Também o Projeto de Lei (PL) para obrigatoriedade de planos privados de saúde para empregados, exceto domésticos, extermina não apenas o direito à saúde, mas o sentido da seguridade social. O “plano empresarial” abandona os trabalhadores justamente quando dele mais necessitam: na velhice.

Uma unanimidade em relação às analises da política do ajuste fiscal aplicado ao País é que ocorrerão consequências drásticas sobre a vida dos brasileiros tal como se deu na Grécia e em Portugal. Estas consequências têm sido referidas como “austericídio”, ou seja, tanto o desemprego como a redução da capacidade de pagamento conduzem a uma redução do vínculo com planos privados, o que, naturalmente, conduzirá ao aumento da demanda no SUS. Mas qual SUS?

Certamente um SUS cada vez mais distante do projeto constitucional. A clara tendência que desponta, particularmente após o encolhimento do financiamento da União para o setor com a aprovação da PEC 241/55/2016, é a de um cenário de privatização e de fragmentação do sistema. O desfecho é uma saúde cada vez mais distante do direito e sob o domínio do capital

Quem é Ana Maria Costa
* Médica sanitarista, professora de Medicina da Escola Superior de Ciências da Saúde (ESCS/DF) e diretora do Cebes (Centro Brasileiro de Estudos de Saúde). Criado em 1976, o Cebes teve um papel central na criação e na concepção do Sistema Único de Saúde

Brasileiros
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;