Por Altamiro Borges

Nas emissoras de televisão, que atingem e fazem a cabeça de milhões de brasileiros, a presença da delegação brasileira no Fórum Econômico Mundial, que reúne a nata – ou a cloaca – da burguesia internacional em Davos (Suíça), é um sucesso. O “Jornal das Dez” do GloboNews desta quarta-feira (18), por exemplo, exibiu o ministro Henrique Meirelles desfilando pelos luxuosos corredores do evento, distribuindo sorrisos e prometendo mundos e fundos – mais fundos do que mundos – aos investidores estrangeiros. Pelas imagens das TVs, até parece que o Brasil virou um paraíso. Mas a mentira não se sustenta – nem mesmo em outros veículos, que atingem uma parcela mais reduzida da população.

A própria revista Época, que também pertence ao Grupo Globo, confirma que “o Brasil perde importância no Fórum de Davos”, conforme o título da matéria postada nesta semana. O texto é bem menos otimista do que as bravatas dos comentaristas da emissora global. Ele lembra que o “presidente” Michel Temer preferiu não ir ao convescote e enviou uma delegação composta por três “ministros”: Henrique Meirelles (Fazenda), Marcos Pereira (Desenvolvimento) e Fernando Coelho (Minas e Energia). A presença deles, porém, passou despercebida. “O país foi relegado a discussões secundárias, quando, em outros tempos, detinha algum protagonismo, ainda que regional”, registra o artigo.

“No debate sobre política monetária e o papel dos bancos centrais, conduzido pelo editor-chefe do Wall Street Journal, Gerard Baker, e que teve entre seus painelistas um banqueiro do UBS, um membro do gabinete de transição de Donald Trump e um chefe da autoridade monetária da Suíça, não havia o Brasil, como em anos passados. Para outra discussão sobre as previsões para o sistema bancário, nenhum banqueiro brasileiro estava entre os participantes. Em um painel sobre as previsões para o G20, a Argentina foi convidada, não o Brasil. Para falar sobre crescimento com inclusão, estava um representante do governo canadense”, detalha a reportagem.

A revista Época até tenta amenizar a perda de relevância do Brasil em Davos, responsabilizando a crise econômica do país e até a postura da presidenta Dilma Rousseff, que sempre polemizou com as ideias neoliberais reinantes no Fórum Mundial. Mas a contragosto reconhece que a posição defendida pelo governo deposto pelo golpe dos corruptos “por mais equivocada que fosse, era levada em consideração”. Agora, não! O Brasil passou a ser visto como uma “república das bananas”, com um governo ilegítimo que não garante qualquer segurança aos tais “investidores estrangeiros”. “De fato, o simples fato de ir a Davos não transforma a imagem de um país. Mas ajuda a inseri-lo em um contexto de discussões globais, de alto nível, que, em última instância, atrai a atenção do mundo”, lamenta a revista da famiglia Marinho.

No mesmo rumo, o jornalista Clóvis Rossi, eterno enviado especial da Folha a Davos, também aponta que “o Brasil está saindo do radar da elite empresarial mundial: em 2011, ao iniciar-se o governo de Dilma Rousseff, 19% dos executivos das grandes companhias punham o Brasil em terceiro lugar na lista dos três países em que viam maiores oportunidades de negócios, excetuando, claro, seus próprios países. Na mais recente pesquisa, feita em 2016 e divulgada nesta segunda-feira, são apenas 8% os que dão idêntica importância ao Brasil, agora o sétimo colocado”. Este estudo foi apresentado na véspera da abertura do Encontro Anual do Fórum Econômico Mundial.


Altamiro Borges
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis cliente. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;

Gostou do Blog? Divulgue. Curta. Compartilhe. Colabore. Aproveite os preços baixos dos livros. AQUI Últimos livros Anunciados e AQUI Tabela de Preços Promocionais