Em 30 de dezembro escrevi neste blog: “MP de Temer ampliará o caos nas prisões”.http://www.brasil247.com/pt/blog/terezacruvinel/272713/MP-de-Temer-ampliara-o-caos-nas-prisoes.htm. Falava da MP 755, editada em 20 de dezembro, que agora, depois do banho de sangue nos presídios do Norte, o governo Temer tenta faturar como prova de que fez sua parte, liberando R$ 1,2 bi do Fundo Penitenciario para os estados. Com a hipocrisia de que tem se valido neste episódio, o governo tergiversa duas vezes sobre esta MP, que na verdade, subtraiu 30% dos recursos do Funpen (Fundo Penitenciário Nacional), ao invés de ampliar recursos para o sistema prisional. Um estranho esquecimento cobriu este aspecto da MP que agora o governo tenta faturar.

Vamos aos dois fingimentos:

1) O ministro da Justiça teve a cara de pau de alegar que o governo fez sua parte transferindo R$ 1,2 bi do Funpen aos estados. Uma liberação, baseada na MP 755, que só ocorreu no dia 31 de dezembro. Na véspera, portanto, do confronto sangrento entre PCC e FDN no presidío de Manaus, em que 56 foram morto, muitos deles decapitados ou esquartejados. A MP e a liberação veio com enorme atraso em relação à determinação do STF, de Setembro de 201’5, acolhendo ADPF apresentada pelo PSOL, para que o governo descontingenciasse e liberasse todos os recursos do Funpen. O STF acolheu a tese de que o sistema prisional constituía um “estado de coisas inconstitucional”. O governo Dilma não atendeu a ordem e o de Temer só agiu em dezembro, seis meses depois de empossado. Então, claro está que o Governo Federal andou foi em dívida com a ordem constitucional e atrasado em relação a seus deveres para com os estados na política penitenciária.

2) A segunda hipocrisia está passando mais batida. Antes tarde do que nunca, a MP atendeu ao STF, mas garfou parte dos recursos do Funpen. Primeiramente, permitindo que até 30% de seus recursos sejam destinados ao Fundo Nacional de Segurança Pública. Ou seja, danem-se os presos que, segundo Bolsonaro, têm apenas o direito de “não ter direitos”, destinando parte do dinheiro dos presídios para cuidar dos que têm direitos. Os que estão livres, e nada devem à Justiça, certamente têm direito à segurança. Já os presos, não por terem penas a pagar perderam todos os direitos e merecem o inferno dos presídios. Foi isso que entendeu o STF, ao reconhecer “o estado de coisas inconstitucional” do sistema penitenciário, conforme alegou o PSOL. Além de permitir o desvio de recursos do Funpen, a MP de dezembro também garfou parte das fontes de alimentação do Fundo. A principal é o ganho do governo com loterias. Os 3% destinados ao Funpen foram reduzidos a 2,1% e 0,9% destinados ao Fundo Nacional de Segurança Públlica.

O PSOL recorreu ao STF contra estas medidas da MP que agora o governo “esquece” e tenta faturar apenas a liberação tardia de recursos. Aguardemos o Supremo, que não deve ter esquecido o que decidiu. Se era para descontingenciar, não era para também para garfar.

Brasil 24/7
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;