Já sabemos quem escapará das degolas. Salva-se quem tiver força para lutar por seus interesses



Flávia Marreiro

"Em cerca de 100 dias, o Governo permanente conseguiu aprovar a PEC que limita os gastos públicos e uma série de medidas que aperfeiçoam a exploração de óleo e gás”, diz a nota orgulhosa que o PMDB lançou nesta segunda-feira para rejeitar as delações da Odebrecht vazadas pela imprensa. Os vazamentos, como vários anteriores que marcam o pulso punitivo-midiático da Lava Jato há mais de dois anos, atingem em cheio o coração do Governo “permanente”, palavra no mínimo curiosa escolhida por Romero Jucá, o líder do Planalto no Congresso, plagado de denúncias e ministro honorário eterno do Governo Temer .

 Senador Medeiros (PSD-MT) discute com a senadora Fátima Bezerra (PT-RN), que disse que Congresso não tinha moral para votar a PEC. Pedro França/Agência Senado

A confiança de Jucá, horas antes ainda da votação final que aprovou a PEC 55, é o reconhecimento explícito de que o que segura Michel Temer no poder, por ora, é sua aliança carnal com um Congresso igualmente rejeitado pela opinião pública. Há muito não se via uma base de apoio tão azeitada e disciplinada no Parlamento. Nem a ausência do general Eduardo Cunha, agora preso em Curitiba, abalou seu passo.

A PEC 55 foi aprovada sem uma concessão sequer. Nem mesmo ouvidos às ponderações de economistas  respeitados à direita no Brasil, como Monica de Bolle, Felipe Salto, ou como a especialista em gestão Claudia Costin, agora no Banco Mundial, sobre a extensão do tempo da PEC, a necessidade de retirar saúde e educação do teto e os possíveis efeitos nefastos sobre a valorização do salário mínimo, um dos motores da diminuição da desigualdade antes da grande recessão. O Congresso aprovou a maior e mais profunda mudança no regime fiscal brasileiro desde a Constituição de 1988. A pretensão é, de fato, de um Governo que, sem a legitimidade das urnas, se crê permanente, aliado a um Congresso desconectado e que parece, pela primeira vez em anos, nem sequer preocupado com sua sobrevivência eleitoral nas disputas futuras.

“Que autoridade moral tem esse Congresso?”, perguntou a senadora Fátima Bezerra (PT-RN), para citar depois em plenário que boa parte dos colegas estão sendo acusados pela Odebrecht de negociar emendas ao sabor dos interesses empresariais. São esses parlamentares que decidiram o tamanho do Estado brasileiro por nada menos do que 20 anos. Uma eternidade para uma população que envelhece rápido e precisava de uma decisão estratégica de seus governantes. 
 
Podemos imaginar como serão as guerras futuras do Orçamento ou mesmo a discussão da Previdência. O Governo Temer tem sido exímio em escolher com quem falar grosso e com quem falar fino e como pagar as faturas que contraiu com o impeachment. Esse é outro segredo da "permanência”. Se não consegue segurar a sangria na classe política, como prometeu antes da queda de Dilma Rousseff, mostra ao menos ser muito mais hábil do que os ocupantes anteriores em seus tentáculos no Supremo, por exemplo. Também está garantido que o seu braço de apoio entre o empresariado não será molestado com alta de impostos ou reforma tributária.

O peemedebismo está em crise - para usar o termo do filósofo Marcos Nobre que descreve o arranjo presidencialista no Brasil -, mas ele se mostra em seu estado da arte para demonstrar força e ficar no poder enquanto pode.
 
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;