Em entrevista ao colunista Jorge Bastos Moreno, jornalista em quem mais confia, Michel Temer disse que pretende lançar uma espécie de "dez medidas" para reativar a economia, mas não anunciou nenhuma delas, porque, aparentemente, não tem ideia do que fazer para retirar o País do buraco em que se encontra; entrevista serviu apenas para demonstrar a impaciência das forças que apoiaram o golpe parlamentar de 2016 com a ausência de resultados; "Realmente recebi no meu gabinete os senadores Tasso Jereissati, José Aníbal (PSDB-RO), Armando Monteiro (PTB-PE) e Ricardo Ferraço (PSDB-ES). Eles pediram medidas que possam impulsionar o crescimento, alegando que não dá mais para esperar até o segundo semestre. Gravei bem uma expressão do senador José Aníbal de que 'cabe ao dono cuidar da padaria'", disse ele; golpe de 2016, que começou a ser articulado por PMDB e PSDB após a vitória de Dilma Rousseff em 2014, já custou 10% do PIB e milhões de empregos





247 – Em entrevista concedida a Jorge Bastos Moreno (leia aqui), Michel Temer admitiu que as forças que apoiam estão insatisfeitas com a sua incapacidade de apresentar resultados na economia e prometeu um pacote de "dez medidas" a ser apresentado nos próximos dias.

Temer, no entanto, não adiantou nenhuma delas, nem falou sobre seu diagnóstico sobre a crise, revelando não ter a mais vaga ideia do que fazer para retirar o País do atoleiro em que se encontra.

A entrevista serviu apenas para demonstrar como seus aliados estão impacientes.

"O que tem havido, e isso não posso negar, são ponderações no sentido de que o governo, pelo curto espaço que tem, não pode esperar de braços cruzados a retomada do crescimento econômico, prevista somente para o segundo semestre do próximo ano. Concordo, mas aviso: essa tem sido também uma preocupação constante não só minha, mas principalmente do ministro da Fazenda", disse ele, que voltou a negar a saída de Henrique Meirelles. "Falar em troca de ministro da Fazenda agora não é um desserviço apenas ao governo, mas ao país. Por isso, quero desfazer de forma contundente, categórica, todas as iniciativas danosas nesse sentido."

Cuidar da padaria

Temer falou ter sido cobrado por aliados a apresentar medidas pró-crescimento.

"Realmente recebi no meu gabinete os senadores Tasso Jereissati, José Aníbal (PSDB-RO), Armando Monteiro (PTB-PE) e Ricardo Ferraço (PSDB-ES). Eles pediram medidas que possam impulsionar o crescimento, alegando que não dá mais para esperar até o segundo semestre. Gravei bem uma expressão do senador José Aníbal de que 'cabe ao dono cuidar da padaria'”.

A "padaria" de Temer quebrou, no entanto, em razão da aliança forjada para levá-lo ao poder.

No fim de 2014, quando a presidente deposta Dilma Rousseff se reelegeu, o Brasil ainda vivia uma situação de "pleno emprego". Em 2015, a queda na arrecadação federal poderia ser combatida com aumentos pontuais de impostos. No entanto, PMDB e PSDB se aliaram para travar o Congresso e levar adiante a política do "quanto pior, melhor", criando as condições para a sua derrubada.

O resultado é uma queda de 10 pontos no PIB, empresas e famílias endividadas, demanda anêmica e uma crise fiscal muito maior, em razão da queda da atividade econômica. Em resumo, o golpe quebrou o Brasil.

Meirelles, por sua vez, prometeu confiança, mas não cumpriu.





Brasil 24/7
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;