EM MEIO A UMA das mais graves crises políticas entre os Poderes e com um misto de escândalo e perplexidade, o Supremo Tribunal Federal (STF) recuou e decidiu por 6 a 3 manter o senador Renan Calheiros (PMDB-AL) na presidência do Senado Federal. Maioria da Corte rejeitou liminar concedida pelo ministro Marco Aurélio Mello, que determinava remoção imediata de Renan do cargo, após o senador alagoano virar réu no STF por suposta prática de peculato. A decisão do STF foi comemorada e recebida como alívio no Palácio do Planalto, que temia um impacto na governabilidade no Congresso e uma paralisia nas votações de interesse do governo.

Após o resultado, que deixou o Brasil estupefato na noite dessa quarta-feira, o tema foi parar no Trending Topics do Twitter, como um dos assuntos mais comentados na rede social. Obrigando o STF a recuar, Renan sai fortalecido, o governo Temer respirando aliviado, e pousa sobre Brasília uma temporária tranquilidade institucional.

A solução para a crise instalada foi negociada por senadores, deputados, o próprio presidente da República, Michel Temer, os ex-presidentes Fernando Henrique Cardoso (PSDB) e José Sarney (PMDB). Poucas vezes se testemunhou uma romaria dessa proporção para manutenção de um chefe de poder no cargo.


Ministro Marco Aurélio durante sessão plenária do STF  // Foto: Nelson Jr. / SCO / STF


O cenário cristalino que indicava alguma punição a Renan se esfarelou. O senador desafiou uma decisão do Supremo ao não querer assinar a notificação da liminar que o afastava do cargo. Para o ministro Marco Aurélio, a atitude de Renan em não receber a notificação da liminar foi “inconcebível, intolerável e grotesca”. Vale lembrar que o senador faz parte do establishment político, essa força superior que dá sustentação a diversos governos e democracias representativas no mundo afora.



No currículo, Renan carrega a experiência de líder na Câmara no governo de Fernando Collor, ministro da Justiça de Fernando Henrique Cardoso e presidente do Senado nos governos Lula, Dilma e Temer. No prontuário de processos no STF, além de ser réu por peculato, Renan tem contra si uma outra dezena de inquéritos que não tem sequer previsão para entrar na pauta.

Inusitado, o ano de 2016 não poupou os brasileiros de sustos diários vindos de Brasília. O país testemunhou o segundo processo de impeachment de sua história; a prisão do ex-deputado e ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha, que ocupa uma diminuta cela na polícia federal em Curitiba; a prisão do senador cassado e ex-líder do governo Delcídio do Amaral e incontáveis fases da Operação Lava-Jato que sacudiram o país. É de espantar a quase intocabilidade em torno de Renan. Surpreendente é que o Supremo Tribunal se submeta a buscar uma solução que aparenta para a sociedade mais uma saída política para manter governabilidade, do que propriamente jurídica.
Vilão do Judiciário

A decisão monocrática do ministro para afastar Renan teve como pano de fundo a ADPF (Ação de Descumprimento de Preceito Fundamental) da Rede Sustentabilidade. A maioria dos ministros já votou para não permitir que réus ocupem cargos na linha sucessória (Vice-Presidência, presidência do Senado, da Câmara e do STF). Como a matéria continua inconclusa, com o pedido de vistas do ministro Dias Toffoli, a decisão de Marco Aurélio por uma “quase decisão” encontrava-se revestida de constitucionalidade, mas sem a materialidade constitucional necessária.

Vale resgatar outras ações contra Renan Calheiros que não prosperaram no STF:
A Procuradoria-Geral da República (PGR) pediu prisão de Renan, flagradonas antológicas conversas com o ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado, aquelas sobre o “pacto” para barrar a Lava-Jato. O pedido foinegado pelo ministro Teori Zavascki;
A Polícia Federal tentou investigar Renan na polêmica Operação Metis, que chegou a prender quatro policiais legislativos que estariam atrapalhando investigações da Lava-Jato. A ação causou novamente estremecimento das relações entre os Poderes. Mais uma vez, Teori mandou parar a investigação e remeteu o processo ao STF.

Nos últimos meses, Renan Calheiros virou o vilão do Judiciário e do Ministério Público, absorvendo para si o ódio de uma massa organizada, chegando a ser alvo nos últimos dias de protestos Brasil afora. Ao pautar oprojeto de abuso de autoridade e instalar comissão para investigar os supersalários dos Poderes, Renan testemunhou a ira corporativa do Judiciário brasileiro, que viu como retaliação a atitude do senador em pautar o tema naquele momento. Após ser poupado pela Suprema Corte, Renan devolveu o agrado e retirou da pauta do Senado o projeto de lei que pune com mais rigor o crime de abuso de autoridade.

Terminada a tempestade, vem a calmaria. Após o caos, Renan continua como presidente do Senado. Salvo algum fato novo, deixará o cargo apenas no final de janeiro. No final das contas, o que mais se ouviu em Brasília no dia de ontem foi: “manda quem pode, desobedece quem tem juízes”. Réu e rei, Renan ganhou o cabo de guerra entre os poderes, ao menos temporariamente.

The intercept Brasil
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;