Querido Fernando Holiday,

Aqui quem fala é Marcelo. Assim como você, eu sou negro e faço parte da nada generosa classe média: um espaço com poucos da minha cor e da sua. Aliás, já reparou nisso? Ou você estava tão ocupado falando que negros se fazem de vítimas e esqueceu de reparar que nos lugares bacanas que frequenta é o único negro em posição de "consumidor"?

Sabe, Holiday, sempre que assisto aos seus discursos fico muito feliz e ao mesmo tempo muito triste. Feliz porque eu me lembro de pensar como você, e de como eu me achava o cara mais foda do mundo por ser negro, dirigir o carro do ano, usar roupas de marca, ter um trabalho de bacana, ser amigo de todos os brancos.

Mas hoje, quando olho para você, me pergunto: por que eu pensava dessa maneira? E a resposta é que me deixa muito triste. Não por mim, mas por você. Assim como eu, um dia você vai descobrir que não é o negro mais foda, mas sim, um garoto que acha que é tão grande, mas na verdade é bem menor do que a generosidade daqueles que financiam "um jovem negro para defender a pauta deles".

Se tudo der errado, no fim eles poderão falar que você era só "mais um negro fazendo negrice", e sair ilesos de seu espetáculo particular. Me conta quantos desses seus amigos bacanas, que vão mudar o Brasil se filiando ao PMDB e PSDB (que ironia, hein?), vão continuar ao seu lado?

Mas não escrevo essas palavras para falar dos seus amigos. Escrevo para falar sobre o seu discurso e toda a problemática que existe nele.

Você sempre fala (e muito) sobre vitimismo. Eu acho que você talvez não esteja vivendo no mesmo Brasil que a maioria dos seus irmãos de pele, então, aqui vão alguns dados que talvez ilustrem um Brasil que você deixou de enxergar.

Talvez você não saiba, mas, segundo a ONU...

70% da população extremamente pobre do País é negra;

Os salários de negros são em média 2,4 vezes mais baixos do que de brancos;

Apesar de representar 50% da população, os negros representam apenas 20% do PIB;

80% dos analfabetos brasileiros são negros;

Dos 56 mil homicídios que ocorrem no Brasil por ano, 77% são garotos negros (só no Rio de Janeiro 80% das vítimas de homicídios resultantes de intervenções policial são negras, e dos 220 casos em 2.011, apenas um, isso mesmo um, foi investigado). 

Enquanto nos restaurantes bacanas que frequentamos (pelo menos isso você reconhece que é um privilégio meu e seu, né?), com exceção de nós, todos os clientes são brancos. Em contrapartida, 75% da população carcerária é negra, e o pior, estudos ainda comprovam que afro-brasileiros se condenados são desproporcionalmente sujeitos a prisão.

Você sabia que, em 2013, 66% a mais de mulheres afro-brasileiras foram mortas, na comparação às mulheres brancas?

Você realmente acha que a população negra está se fazendo de vítima? Você realmente acha que a negra periférica com apenas o ensino fundamental, que acorda todo dia às 5h para às 8h estar no centro fazendo faxina na casa de bacana, que está lutando com o que pode, e o que não tem, para que seu filho tenha pelo menos uma esperança de futuro diferente do seu, que sai de casa com medo de um dia perder o seu filho para o tráfico, pois o traficante mora duas casas ao lado e a grana fácil seduz jovens, está se fazendo de vítima? Realmente ela é a aproveitadora da história? Nesse seu mundo cor de rosa onde a população negra não está à beira do abismo social, qual papel você se designa? Você é negro ou branco nesse mundinho paralelo que você criou?

E por fim deixo uma reflexão de Judith Butler, filósofa americana, que ironicamente é branca, mas parece entender mais sobre os desafios dos negros do que você, quem sabe ela lhe mostre que a vida de negros vale mais do que o interesse dos grupos que te financiam.

"Quando algumas pessoas refazem a mensagem 'A vida da população negra importa' para 'Toda Vida Importa', elas não entendem o problema, mas não porque a mensagem delas é falsa. É verdade que todas as vidas importam, mas é igualmente verdade que nem todas as vidas são construídas para importar. E é precisamente por isso que é mais importante nomear as vidas que não importam e estão lutando para isso no modo que elas merecem."

 HuffPost Brasil
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis cliente. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;

Gostou do Blog? Divulgue. Curta. Compartilhe. Colabore. Aproveite os preços baixos dos livros. AQUI Últimos livros Anunciados e AQUI Tabela de Preços Promocionais