Metade da lista está aí

Escrevi outro dia que era mais fácil escolher quem fizera de 2016 um annus horribilis do que quem contribuíra de alguma forma para melhorar o Brasil.

Refleti e achei que seria útil elaborar a lista VIP da ruína brasileira.

Fiz uma triagem severa, ou teríamos um catálogo telefônico. Acabei ficando com seis nomes. Eles estão abaixo.


1) Aécio: tinha que ser o primeiro da lista. O candidato que não soube perder.

Desde que foram anunciados os resultados das eleições de 2014 se dedicou selvagemente a boicotar a vontade expressa pelos brasileiros nas urnas.

Um telefonema seu cumprimentando a adversária vitoriosa e o país não enfrentaria o caos fulgurante destes dias.

Se há algum tipo de justiça poética, Aécio chega a 2017 completamente desmoralizado. Personagem de frequentes delações, seu desempenho nas pesquisas reflete a descoberta, pela sociedade, de que se trata de mais um moralista sem moral.

2) Temer: nunca os brasileiros tiveram um presidente tão inepto, tão medroso, tão inconfiável, tão traiçoeiro, tão impopular, tão desprezado, tão pinguela.

Tão pequeno, enfim. Em tempo recorde Temer se revelou uma enorme, uma formidável desgraça nacional.

Dilma definiu-o magistralmente: um homem menor que o Brasil. Muito menor.

3) Moro: a imagem mais marcante dele do ano é aquela em que aparece na festa da IstoÉ cochichando com Aécio e nas proximidades Temer.

Se não bastassem tantas outras evidências, aquela é a prova irretorquível de que Moro é um juiz sem isenção. E sem noção: deveria saber ao menos que as aparências de imparcialidade devem ser guardadas.

Com sua Lava Jato, ele combateu em 2016 não a corrupção — mas o PT, de um modo geral, e Lula, particularmente.

4) Cunha: dispensa explicações. É o símbolo de um Congresso que se especializou em vender leis para empresas.

Infernizou Dilma. O paradoxo é que enquanto ela vai passar as festas de fim de ano andando de bicicleta em Porto Alegre, perto da filha, dos netos e dos seus livros, Cunha vai ver 2017 nascer quadrado.

5) FHC: é aquela história. Só não me decepciono com FHC porque há muito tempo nada espero dele.

FHC, que na mocidade foi um intelectual de esquerda, acabou fazendo na maturidade uma opção preferencial pelos ricos.

Virou uma espécie de guia, de guru da plutocracia. Numa visão menos benevolente, tornou-se um escravo vulgar do dinheiro.

Arrastou seu PSDB para a direita golpista, uma espécie de réplica da UDN, e fecha 2016 como um dos arquitetos da República das Bananas em que o impeachment transformou o Brasil.

6) João Roberto Marinho: JRM entra na lista como representante dos barões da mídia.

Ele é o responsável pelo conteúdo do grupo Globo. Não sai nada que importe no Jornal Nacional sem que JRM saiba.

A campanha obsessiva contra Lula é filha de João Roberto Marinho. A tentativa de fazer de Moro um heroi nacional é, igualmente, coisa de João Roberto Marinho.

Numa das sentenças mais notáveis de 2016, o jornalista americano Glenn Greenwald, radicado no Brasil, disse jamais ter visto um jornalismo tão tendencioso quanto o brasileiro.

JRM é o principal responsável por isso. Pulitzer, o maior jornalista da história, dizia que o principal dever de um jornal é estar ao lado dos pobres, dos que não têm voz.

Sob o comando da Globo, a imprensa brasileira faz o exato oposto — e poucas vezes isso ficou tão claro quanto neste 2016 que melancolicamente se despede.




Diário do Centro do Mundo
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis cliente. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

1 comments:

  1. "Assim é. País sem pudor! “A sombra do estado de exceção se ergue sobre nós”"
    https://gustavohorta.wordpress.com/2016/12/21/assim-e-pais-sem-pudor-a-sombra-do-estado-de-excecao-se-ergue-sobre-nos/

    "Por um Brasil mais justo para todos e para o Lula!
    Multiplicarei, com certeza.
    Agradeço.
    Amor, compaixão, solidariedade.
    Felicidade. Sempre."

    "“Em mais de 40 anos de atuação pública, minha vida pessoal foi permanentemente vasculhada -pelos órgãos de segurança, pelos adversários políticos, pela imprensa. Por lutar pela liberdade de organização dos trabalhadores, cheguei a ser preso, condenado como subversivo pela infame Lei de Segurança Nacional da ditadura. Mas jamais encontraram um ato desonesto de minha parte.
    Sei o que fiz antes, durante e depois de ter sido presidente. Nunca fiz nada ilegal, nada que pudesse manchar a minha história. ..."

    ResponderExcluir

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;

Gostou do Blog? Divulgue. Curta. Compartilhe. Colabore. Aproveite os preços baixos dos livros. AQUI Últimos livros Anunciados e AQUI Tabela de Preços Promocionais