O Globo
Manchete: Odebrecht pede perdão, paga R$ 6,8 bi e começa a delatar 
Emílio e Marcelo Odebrecht assinam acordo com a Lava-Jato

Proprietários, executivos e ex-executivos da maior empreiteira do país reconheceram envolvimento no esquema de corrupção na Petrobras e outras estatais, além de obras em estados

A maior empreiteira do país formalizou ontem acordo de leniência com a Lava-Jato, e seus donos assinaram a delação premiada. Após nove meses de negociação, Emílio Odebrecht e seu filho, Marcelo, e 75 executivos e ex-dirigentes da empresa reconheceram envolvimento em esquemas de corrupção e se comprometeram a pagar multa de aproximadamente R$ 6,8 bilhões. A empresa pediu desculpas por ter participado de “práticas impróprias”. Pelo acordo, em que a empreiteira deve citar cerca de 200 políticos, Marcelo Odebrecht permanecerá preso até o fim de 2017, totalizando dois anos e meio de prisão. A partir de então, cumprirá prisão domiciliar. (Pág. 3)
Renan é réu
Supremo abre ação penal contra o presidente do Senado por peculato

Pela primeira vez, um presidente do Senado se torna réu no exercício do cargo. Por 8 votos a 3, o Supremo Tribunal Federal abriu ação penal por peculato contra Renan Calheiros (PMDB), acusado de receber dinheiro da construtora Mendes Júnior para pagar pensão a uma ex-namorada. Renan, que responde a outros 11 inquéritos no STF, sendo oito da Lava- Jato, deve permanecer na linha sucessória da Presidência da República, mesmo sendo réu, porque o Supremo ainda não concluiu julgamento sobre essa questão. (Págs. 4 e 5)
Moro: lei de abuso tolhe magistratura
Em audiência no Senado, o juiz Moro sustentou que não é o momento de se votar a proposta que cria o crime de abuso de autoridade para juízes e promotores. Para ele, isso poderia ter o “efeito prático de tolher ações” da magistratura. O juiz, que criticou as “emendas da meia-noite” da Câmara ao pacote anticorrupção, foi confrontado por senadores e pelo presidente do TSE, Gilmar Mendes. (Pág. 6)
Cabral comprou 460 joias em uma só loja (Págs. 8 e 9)

Dólar sobe e Bolsa cai com a crise (Pág. 19)

Colunistas 
MERVAL PEREIRA

A proximidade de ideias entre Gilmar e Renan. (Pág. 4)

MÍRIAM LEITÃO

Lava-Jato é atacada quando mostra resultado. (Pág. 20)

NELSON MOTTA

Os bandidos querem julgar os xerifes no Brasil. (Pág. 17)

ROGÉRIO FURQUIM WERNECK

Núcleo duro do governo expõe Temer a desgaste. (Pág. 16)

PEDRO DORIA

Políticos dão sinais de que não estão nem aí para as ruas. (Pág. 22)
Temer ouvirá mais PSDB e Arminio
O governo ouvirá o economista Arminio Fraga, ex-presidente do BC e ligado ao PSDB, em busca de soluções para a economia do país. O presidente Temer decidiu ampliar o espaço do partido na formulação de alternativas para contornar a crise, informam SIMONE IGLESIAS e JÚNIA GAMA. (Pág. 7)
TCM quer ainda mais vantagens
Em meio à crise, o Tribunal de Contas do Rio quer ampliar os benefícios de seus conselheiros, como férias de dois meses e auxílio-moradia de R$ 4.300 para auditores e procuradores, revela LUIZ ERNESTO MAGALHÃES. (Pág. 10)
Reitoria da UFRJ tem luz cortada
Por falta de pagamento, com contas em atraso que chegam a R$ 18 milhões, a reitoria da UFRJ está sem luz. (Pág. 12)
Expectativa de vida no país atingiu 75,5 anos em 2015. (Pág. 28)

------------------------------------------------------------------------------------
O Estado de S. Paulo

Manchete: Odebrecht fecha delação, pagará R$ 6,8 bi e pede desculpas ao País
77 acionistas, executivos e ex-executivos do grupo fornecerão informações à Lava Jato; empresa fala em ‘grande erro’ e combate à corrupção

No dia em que 77 acionistas, executivos e ex-executivos do grupo Odebrecht começaram a assinar acordo de delação premiada com o Ministério Público Federal no âmbito da Lava Jato, a empresa fechou acordo de leniência de R$ 6,8 bilhões, a ser pago em 23 anos. O valor será dividido entre Brasil, EUA e Suíça. No País, o acerto é condição para a empreiteira seguir com contratos de obras públicas. Em carta aberta, o grupo pediu desculpas aos brasileiros por ter participado de práticas “impróprias”, reconhece que pagou propina e se compromete a adotar princípios “éticos, íntegros e transparentes” na relação com agentes públicos e privados. “Reconhecemos nosso envolvimento, fomos coniventes com tais práticas e não as combatemos como deveríamos. Foi um grande erro (...) Não admitiremos que isso se repita.” A empresa deve R$ 110 bilhões. (POLÍTICA / PÁG. A4)
Crise política faz dólar subir e Bolsa cair
A assinatura do acordo de leniência da Odebrecht e o cenário de ameaças ao ajuste fiscal afetaram o mercado financeiro. O dólar encerrou o dia com alta de 2,33%, cotado a R$ 3,466, maior valor desde junho. O Ibovespa teve queda de 3,88%. O juro futuro de longo prazo disparou. (ECONOMIA / PÁG. B6)
Renan vira réu e será julgado no Supremo
Por 8 votos a 3, ministros aceitaram denúncia de peculato contra Renan Calheiros; peemedebista é alvo de outros 11 inquéritos. (POLÍTICA / PÁG. A4)
No Senado, Moro é alvo de críticas de parlamentares
O juiz federal Sérgio Moro foi alvo de críticas e embates durante evento no Senado sobre projeto de revisão da lei de abuso de autoridade. Os principais ataques partiram do líder da oposição, Lindbergh Farias (PT-RJ), que teve sua investigação arquivada na Lava Jato, e do ministro do STF Gilmar Mendes. Moro disse não ter dúvidas de que a proposta tem como objetivo “criminalizar” investigações sobre a corrupção na Petrobrás. (POLÍTICA / PÁGS. A5 a A9)
Venezuela não cumpre exigências do bloco e é suspensa do Mercosul
O Mercosul suspendeu a Venezuela por descumprir exigências para concluir seu processo de adesão. A confirmação deve ser feita hoje. O ultimato, dado em setembro por Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai, venceu ontem. (INTERNACIONAL / PÁG. A15)
Temer receia mexer em previdência de políticos (Economia/Pág. B1)

PF aponta vazamento de provas do Enem (Metrópole/Pág. A18)

Foto-legenda: Corpos das vítimas chegam amanhã ao País
Caixões com corpos das vítimas do voo da Chapecoense, em funerária de Medellín, na Colômbia. Velório, no Brasil, deve ocorrer amanhã. O presidente Michel Temer, o técnico Tite e o presidente da Fifa, Gianni Infantino, confirmaram presença em Chapecó. (PÁGS. A25 e A26)
Avião fez outras viagens no limite do combustível
Levantamento do Estadão Dados mostra que, desde agosto, o avião que caiu matando 71 pessoas fez outras quatro viagens, entre a Colômbia e a Bolívia, em que quase chegou ao limite de sua autonomia sem reabastecimento. O plano do voo que terminou em tragédia na madrugada de segunda-feira tinha diversas falhas. Autoridades da aviação boliviana foram afastadas. (PÁGS. A23 e A24)
Notas & Informações 
Realismo fantástico A sociedade espera do Senado o exame sereno das medidas de combate à corrupção. (PÁG. A3)

Sem tempo para perder (PÁG. A3)
------------------------------------------------------------------------------------
Folha de S. Paulo

Manchete : Por 8 votos a 3, Supremo torna Renan réu pela primeira vez
Acusado de desviar verba pública, presidente do Senado afirma que provará sua inocência

Por 8 votos a 3, o Supremo Tribunal Federal tornou réu pela primeira vez o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL). A Procuradoria-Geral da República o acusa de peculato (desvio de verbas). De acordo com o Ministério Público, ele pagou com recursos ilícitos pensão a uma filha entre 2004 e 2006. Em 2007, Renan chegou a renunciar à presidência da Casa quando a investigação teve início. Edson Fachin (relator), Cármen Lúcia, Celso de Mello, Marco Aurélio, Luís Barroso, Luiz Fux, Rosa Weber e Teori Zavascki aceitaram a denúncia. Gilmar Mendes, Dias Toffoli e Ricardo Lewandowski, não. Em novembro, a maioria do Supremo votou para que réus não integrem a linha sucessória da Presidência da República, caso de Renan. Mas o julgamento foi interrompido por um pedido de vista de Toffoli. Em nota, o presidente do Senado negou a acusação. Disse não haver provas contra ele, mas suposições. (Poder A4)

MARCELO COELHO

Sem maioria convicta na corte, não há como garantir que peemedebista será condenado. (A 5)
Odebrecht pagará R$ 6,7 bi em acordo
A empreiteira Odebrecht assinou nesta quinta (1°) o acordo de leniência, espécie de delação premiada para empresas, com procuradores da Operação Lava Jato. Setenta e sete executivos se tornaram delatores na investigação sobre desvios na Petrobras. Entre eles está Marcelo Odebrecht, herdeiro e ex-presidente do grupo. Com o acordo, a Odebrecht, que deve pagar multa de R$ 6,7 bilhões em 20 anos, poderá ser contratada pelo poder público e ganhará alívio no crédito bancário. Em anúncio que circula nesta sexta (2), a empresa reconhece que errou ao pagar propina, pede desculpas e se compromete a adotar comportamento ético. (Poder A8)
Mercosul decide pela suspensão da Venezuela
Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai suspenderam do Mercosul a Venezuela, que presidia o bloco, por descumprir obrigações assumidas quando se incorporou a ele em 2012 — como a proteção dos direitos humanos. Para o governo Maduro, houve motivação política. A decisão vale até haver um entendimento dos países com a Venezuela sobre o restabelecimento de seus direitos no Mercosul. (Mundo A9)
PF faz buscas no Itaú em ação da Operação Zelotes
O Itaú Unibanco foi alvo de buscas da Polícia Federal por repasses feitos a um escritório de consultoria contratado para ajudar o antigo BankBoston a resolver uma pendência com a Receita. O banco brasileiro, que comprou a instituição estrangeira no país em 2006, aponta os antigos controladores como responsáveis pelos casos sob suspeita. (Mercado pág. 7)
Avião que caiu e matou 71 não cumpriu norma de segurança
O avião da LaMia que caiu na terça-feira (29) na Colômbia e matou 71 pessoas, entre elas 19 jogadores da Chapecoense, não poderia ter decolado da Bolívia, de acordo com as regras aeronáuticas. O piloto Miguel Quiroga, diz o jornal boliviano “El Deber”, assinou plano de voo sem margem de combustível para o caso de imprevistos, ignorando norma de segurança. Familiares de Quiroga afirmam que a investigação ainda não foi concluída. Procurada, a LaMia não se pronunciou. (Tragédia no futebol B1)
Reinaldo Azevedo
Repudio fascistoides de esquerda, direita e também os de toga

Esquerdistas estão certos de que lutam pelo bem dos pobres; não esquerdistas, pela moralidade, e Barroso, pelos direitos reprodutivos da mulher. Por que não apoiá-los? Porque um liberal, como sou, repudia fascistoides de esquerda, de direita e de toga. Afinal, todos eles se irmanam contra a ordem democrática, a única que me serve. (Poder A6)
Editoriais
Leia “Repulsa e exaltação”, acerca de confronto entre políticos e equipe da Lava Jato, e “Derrubar os juros”, sobre medidas para reverter recessão. (Opinião a2)
------------------------------------------------------------------------------------

Mídia
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;