Renan Santos, do MBL, na discursa na Paulista



Um boneco pedindo “Fora Renan Calheiros” e o Lula Inflado estavam no cruzamento entre a Alameda Ministro Rocha Azevedo e a Avenida Paulista, a poucos metros do MASP.

Nenhum inflado contra Michel Temer. Nenhum discurso pedindo seu impeachment. O novo vilão da turma é Renan Calheiros, enquanto as porradas contra o ex-presidente servem pra lembrar que eles continuam antipetistas, mesmo com o PT fora do governo.


Se alguém tinha dúvida ou esperança de que os coxinhas finalmente se tocaram das falcatruas do governo golpista ou mesmo sobre a seletividade do juiz Moro, 15 minutos eram suficientes para desfazer a esperança.

As pautas eram claras e estavam num carro de som do movimento Vem Pra Rua: apoio irrestrito à Lava Jato, fim do foro privilegiado e defesa das 10 Medidas Contra a Corrupção criadas e por Deltan Dallagnol e cia.

“Tivemos milhões de dinheiro público desviados que foram para fora do país. Temos que tirar todos eles. A Lava Jato não pode parar! Teremos orgulho de encher essa Avenida Paulista quando Renan e Lula forem presos”, berrou Carla Zambelli, do NasRuas.

O Vem Pra Rua, que convocou a manifestação, concentrava a maior parte do povo que defendida o combate à corrupção. Mas, ao contrário do esperado, não havia união entre todos os verde-amarelos.

“Nós não estamos aqui para defender a intervenção militar e nem as forças armadas. Queremos que a Justiça funcione”, gritavam os militantes.

Dois carros de som perto da TV Gazeta e do shopping Cidade São Paulo pediam o auxílio das Forças Armadas para dar um novo golpe. “A Paulista está poluída de esquerdistas. Eles estão em todo o lugar. E quando tomarmos o poder, eles vão saber quem realmente se preocupa com o povo. Em 64, os militares tornaram a sociedade melhor. Vamos brigar pelo que é melhor pelo povo!”, berrou uma mulher de cabelos louros tingidos.


José Antônio e Derci

Pouco à frente dos pró-militares, e em quantidade menor, estava o MBL de Kim Kataguiri. Utilizando uma retórica de pastor evangélico, Renan Santos, um dos líderes, envolvido em mais de uma centena de processos, discursou sobre como eles não são favoráveis a nenhum político que está no poder.

“Ninguém aqui é a favor de nenhuma corrupção. Ninguém aqui quer proteger ninguém. Se o Temer tiver que cair, ele vai responder por isso. O Renan Calheiros tem que cair e todo mundo aqui é à favor da Lava Jato. Esse Congresso praticou um estupro enquanto todo mundo estava chocado com a tragédia do Chapecoense”, disse o dirigente, fazendo comparações levianas e machistas.

Renan Santos, Kim Kataguiri e Fernando Holiday também fizeram uma comparação com o partido Rede, da Marina Silva, e uma melancia, que é verde por fora e vermelho “comunista” por dentro. Disseram que não têm rabo preso com partido nenhum, apesar de terem se aproximado do PMDB, do DEM e do PSDB para financiar seu grupo e seus vereadores.

“Neste mês passado morreu uma figura histórica que, convenhamos, tem uma relevância mundial. Mas eu nunca me senti tão aliviado de uma figura dessas ter morrido. Fidel Castro se foi. Eu nunca vou compactuar dos seus ideais, mesmo que parte da elite tenha apreço pelo autoritarismo”, vociferou Holiday, que já foi preso ao manifestar seu ódio a Cuba na Câmara Municipal.

Com tantos discursos contra a corrupção e defendendo Moro ou os militares, pergunteis para as pessoas presentes o que elas sabiam sobre as 10 Medidas.

O casal José Antônio (53) e Derci Ribeiro (53) é veterano em protestos contra os políticos em quem eles não acreditam mais. José compareceu a três, enquanto sua companheira participa desde as Diretas Já, quando era adolescente. Eles disseram que estavam lendo as 10 Medidas Contra a Corrupção e foram questionados se sabiam destacar as principais.

“Principalmente a falta de punição para… epa, agora deu branco…”, disse José Antônio. Derci Ribeiro deu uma risadinha e soltou: “O que eles querem é calar o Sérgio Moro. O resto das medidas a gente corta e outras a gente pode discutir, mas querer calar o Moro que tá trazendo bilhões de volta ao Brasil é um erro”.


Kataguiri e um fã

Quando perguntada sobre as objeções de Gilmar Mendes ao juiz de Curitiba, Derci afirmou que está a favor de um país limpo e não de nenhum tipo de partido. José também disse que não vê problemas ou fascismo em restrição do habeas corpus, ideia entre as 10 Medidas que foi criticada por juristas.

Regina, Vânia, Maggi e Helena disseram que também estavam favoráveis ao combate à corrupção feito pelo Ministério Público e pelo juiz Sérgio Moro. Foram em todos os protestos e estavam se manifestando contra Renan Calheiros.

Quais das 10 Medidas Contra a Corrupção elas acham importante? “Todas”, responderam. E elas sabem destacar alguma? As quatro mulheres responderam: “Nenhuma”. E Regina completou afirmando que “derrubando Renan, a corrupção acaba”.

Renato, um ciclista com um pôster contra a corrupção, parecia ser o mais bem informado dos entrevistados, mas não destacou nenhum ponto específico das 10 Medidas Contra a Corrupção.

Disse que discordava do Ministério Público na premiação a delatores, no uso de provas ilegais e no teste de integridade aos funcionários públicos. “Não fazia ideia que existia uma medida que alterava o habeas corups, vou pesquisar mais detalhes”, completou.

“Eu estou na rua porque acredito no Brasil! Preciso estudar melhor as 10 Medidas Contra a Corrupção do Sérgio Moro, mas a princípio sou a favor. A presidência de Michel Temer precisa de mais tempo para consertar este país”, disse Pauline Hemann, professora e advogada que estranhamente não conhecia nada sobre a proposta de mudança nas leis.

João estava diante da estação Trianon-Masp colando post-it com mensagens contra os políticos. Para ele, a melhor das 10 Medidas é “a que combate a corrupção”. Não soube detalhar nada. Um amigo de João disse que a culpa toda é de José Sarney. Ele não ficou para ser entrevistado.

Um homem chamado Américo estava indo ao shopping Cidade São Paulo. Esbarrou em uma mulher vestida com a camiseta da seleção brasileira. “Saia daqui, seu petralha!”, ela berrou. Ele estava vestido de branco e disse que apoiava o combate à corrupção. “Esse tipo de briga sem sentido nos desune”.





Elias Siqueira, camelô, disse que queria conversar com o prefeito eleito, João Doria. Estava com um lenço da Chapecoense e disse que estava de luto pela morte do time. “Queria saber do Doria porque tem muito camelô desempregado. Quero saber se, quando ele for assumir, ele vai deixar essa gente na rua”. Perguntado sobre a corrupção, Elias disse que é contra os corruptos, mas está mais preocupado com São Paulo. E foi embora.

A Paulista foi liberada às 19h e os caminhões de som já estavam desmontados. A PM divulgou que 15 mil pessoas estiveram no protesto em São Paulo.

A avenida lotou próxima ao caminhão do Vem Pra Rua, mas permaneceu mais vazia e esparsa no espaço dos militantes pró-ditadura e mais ainda perto do MBL. Grupos também protestaram contra a decisão recente do STF favorável a respeito do aborto para fetos de até três meses.

Marcello Reis, do Revoltados ON LINE de bicicleta na Avenida Paulista, mas saiu andando quando percebeu que estava sendo fotografado.

Depois de gritar por Moro e pedir a volta dos militares, sem explicar o que são as tais 10 Medidas, o povo coxinha de direita voltou pra casa pra não perder o Faustão e o Fantástico, onde iriam aparecer.


Sem pixuleco não tem graça


Diário do Centro do Mund
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;