Numa semana em que país viveu mais um capítulo da guerra entre Judiciário e Legislativo, mídia europeia diz que manutenção de Renan Calheiros no poder é vitória de Temer, mas problemas do senador ainda não acabaram.


Renan (d) é um dos aliados-chave do presidente Michel Temer, afirmam jornais europeus

A imprensa europeia deu destaque ao Brasil numa semana em que o país assistiu a mais um capítulo da guerra entre os poderes Judiciário e Legislativo no embate sobre a saída ou não de Renan Calheiros da presidência do Senado. A votação da chamada PEC do teto dos gastos e o projeto de lei anticorrupção, que pune casos de abuso de autoridade de juízes e membros do Ministério Público, também foram destacados.

O Le Monde, num artigo de opinião escrito por três autores e intitulado Brasil: o grande salto para trás, escreve que, depois da destituição da ex-presidente Dilma Rousseff, o governo do presidente Michel Temer conduz uma política que mistura conservadorismo, autoritarismo e corrupção. O periódico afirma que, enquanto os senadores votavam a chamada PEC do teto de gastos, uma manifestação de estudantes na Esplanada dos Ministérios era violentamente reprimida pela polícia militar.

Além disso, o periódico afirma que, no mesmo momento, os deputados federais aprovaram uma série de dez medidas anticorrupção "esvaziadas de sua substância" e vistas como uma maneira de se proteger dos inquéritos relacionados ao caso de corrupção na Petrobras e para contra-atacar um Judiciário "pronto a teatralizar sua ação, a ultrapassar suas prerrogativas e a abalar o equilíbrio entre os poderes".

Em matéria intitulada No pântano da corrupção, o jornal alemão Tageszeitung (TAZ) escreveu que um confronto entre Congresso e Justiça desafiou o governo brasileiro e que, com a permanência de Renan Calheiros na presidência do Senado, "o presidente Michel Temer pode respirar aliviado".

O periódico diz que, se Calheiros fosse retirado do poder, o senador petista Jorge Vianna iria se tornar presidente da casa – o que seria "um cenário dos horrores para Temer", que era vice no governo de Dilma e que, "desde meados deste ano, participou de forma bem-sucedida de intrigas para forçar a destituição da política de seu cargo de presidente".

A publicação afirma, ainda, que em meio a um aumento do desemprego e uma crise econômica sem fim, aumentam os protestos contra a mudança de rumo político de viés liberal de direita adotada por Temer. "Mas nas ruas o tema corrupção domina: dezenas de milhares protestaram no último domingo contra políticos corruptos e a diluição de uma lei anticorrupção no Congresso".

O periódico britânico The Guardian afirma que, apesar da decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) favorável a Calheiros, ele provavelmente terá em breve dificuldades com a mais alta corte do Brasil, já que aguarda o julgamento por acusações de corrupção em um dos 12 processos contra ele. A publicação lembra que perder Calheiros como presidente do Senado seria um duro golpe para Temer, que está tentando aprovar no Congresso uma série de medidas de austeridade neste mês.

O jornal britânico Financial Times (FT) diz que os congressistas brasileiros usaram a distração da população com a tragédia envolvendo a equipe da Chapecoense para aprovar "medidas draconianas" que permitiriam processar promotores e juízes por abuso de poder. O periódico afirma ainda que a ideia era, claramente, "encerrar uma vasta investigação sobre corrupção na Petrobras que afetou um grande número de congressistas".

O FT escreve também que Temer "está andando na corda bamba" porque não pode se opor abertamente ao Congresso e a suas "tentativas de se proteger de acusações no caso de corrupção" na Petrobras. "Ele precisa de seu apoio para permanecer no poder. Mas ele não pode apoiá-los abertamente. Se fizer isso, poderá provocar a ira popular e tornar o país ingovernável. Em causa está uma agenda de reformas fiscais críticas que Temer prometeu aos mercados para tentar tirar o Brasil de sua pior recessão em um século".

O jornal alemão Frankfurter Allgemeine Zeitung (FAZ), em artigo intitulado O solitário presidente do Brasil, afirma que Temer perde cada vez mais aliados e lembra que ele perdeu seis ministros em seis meses de mandato como presidente, após a destituição de Dilma. O artigo cita, ainda, a decisão do STF sobre a manutenção da presidência do Senado nas mãos de Calheiros – também aliado de Temer – e, também, que ele não poderá ficar na linha de sucessão da presidência da República enquanto houver processos pendentes contra ele.

O periódico espanhol El País afirmou que uma situação parecida com a de Calheiros foi vivida pelo ex-presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, depois de ser acusado no caso de corrupção da Petrobras. Em maio, o partido Rede pediu ao STF que suspendesse Cunha do cargo e, três dias depois, a petição foi submetida em plenário aos 11 magistrados do STF, que aceitaram uma medida provisória concedida por Teori Zavascki e suspenderam Cunha por unanimidade.

DW
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;