Ontem, no encontro de mulheres sindicalistas, Dilma Rousseff disse o que todos já percebem: está em curso uma articulação para o Brasil voltar a ser uma ditadura explícita, com um “golpe dentro do golpe”:

– Nós temos assistidos estarrecidos e perplexos todas tentativas de dar um golpe dentro do golpe. Nós temos de ter a ousadia de defender mais uma vez eleição direta para presidente. Estou dizendo isso porque, na hora que virar o ano, a Constituição prevê eleição indireta para presidente. É isso que se chama golpe dentro do golpe. Você cria a temporalidade para haja uma eleição indireta.

Para ela, já vivemos em parte um estado de exceção, onde aos opositores “são considerados inimigos e criminalizados enquanto os amigos do governo são poupados”. E citou o caso das denúncias do ex-ministro da Cultura Marcelo Calero sobre a ação de  Geddel Vieira Lima, em benefício pessoal:

– O estado de exceção é capaz de criminalizar alguns atos que são legítimos de expressão numa sociedade democrática e ao mesmo tempo perdoar atos que não são legítimos. Não é considerado crime de advocacia administrativa defender que se libere a construção de um edifício de 106 andares em área de patrimônio histórico.

Ouça fala de Dilma, na íntegra:


Tijolaço
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;