Quando Michel Temer e a cúpula do PMDB resolveram trair Dilma, romper com seu governo e embarcar no golpe do impeachment, calculavam que tomando o governo uniriam o partido em torno de um projeto próprio de poder para 2018. Após seis meses de um governo desastroso, o partido está novamente rachado e destinado a continuar sendo linha auxiliar na próxima disputa presidencial.

O racha na bancada do Senado foi escancarado nesta segunda-feira pela postagem do presidente do partido e líder do Governo, Romero Jucá, negando que pretenda disputar a presidência da Casa e dizendo haver consenso em torno do nome do atual líder do partido, Eunício Oliveira. Jucá ouviu de Renan Calheiros uma proposta para que se lançasse candidato a presidente com seu apoio, cedendo-lhe a presidência do partido, posto que daria mais cacife a quem vai trocar o alto da Mesa pela planície do plenário. Jucá não apenas recusou como foi à rede social explicitar sua posição, que é apoiada por Temer. E com isso, restará a Renan o posto de líder da bancada, mesmo assim se conseguir a maioria de votos para ser eleito.

Na Câmara a situação não é muito diferente. A maioria da bancada votou contra Temer no projeto de renegociação das dívidas estaduais, suprimindo a exigência de contrapartidas. Uma parte da bancada, alinhada com o Centrão, é contra a candidatura de Rodrigo Maia, do Democratas, a um segundo mandato na presidência da Câmara. A disputa de fevereiro promete aprofundar as fissuras que começam a aparecer na ampla base de apoio a Temer, a tábua de salvação em que se agarra, diante da impopularidade, do evidente colapso econômico e das denúncias da Lava Jato.

Mas ainda que Temer sobreviva no cargo até 2018, como um pato manco, arrastando as correntes da impopularidade e da fragilidade, o projeto de poder do PMDB já foi para o espaço.

Temer vacilou muito quando os peemedebistas que hoje compõem o núcleo duro de seu governo (Moreira Franco, Eliseu Padilha, Geddel e Henrique Alves, que já caíram), em longas tertúlias no Jaburu, buscavam convencê-lo de que “o cavalo estava passando selado” em sua porta e era preciso montá-lo. Ou seja, dar o golpe, tomar o governo e viabilizar o tal projeto próprio de poder. Pois, afinal, depois da Constituinte, o papel do partido foi dar sustentação a governos de outros partidos, exercitando com maestria a arte do fisiologismo, da troca de apoio por nacos do Estado. Assim foi com Fernando Henrique, com Lula e com Dilma. As duas candidaturas presidenciais do PMDB, a de Ulysses Guimarães em 1989 e a de Quércia em 1994, sofreram derrotas humilhantes. Mas com o golpe, esta sina poderia mudar. Temer finalmente foi convencido e um dos primeiros movimentos reveladores de que entrara na conspiração foi aquela carta dos queixumes a Dilma. Em seguida Romero Jucá, como presidente do partido, comandou o desembarque do governo. Este foi o verdadeiro dia do golpe.

Pouco antes, o documento “Ponte para o Futuro” fora elaborado para dizer ao país que o PMDB tinha programa para concluir o governo de Dilma e seguir no comando do país. Seis meses depois, não há ponte, apenas uma pinguela, segundo FHC. O futuro é um grande ponto de interrogação pairando sobre o país que se desmancha.

Na disputa de 2018, mesmo que Temer não caia antes, estarão no jogo o PT com Lula, o PSDB, possivelmente com Aécio Neves, Ciro Gomes, pelo PDT, Marina Silva, pela Rede, e os outsiders que fatalmente vão aparecer, como Bolsonaro e semelhantes, pela direita ou pela esquerda. Ao PMDB, restará apoiar os tucanos. A Lava Jato não deixará ninguém em condições de disputar a presidência, nem mesmo como um candidato figurativo no primeiro turno, para barganhar apoio no segundo.

Eles se enganaram com Temer, superestimaram sua dimensão e sua capacidade para liderar um país em crise política, econômica e ética. Subestimaram os setores que resistiram ao golpe e conseguiram difundir a narrativa sobre a verdadeira natureza do impeachment de Dilma. Sacrificaram a democracia e estão sacrificando a economia nacional por nada. Não há projeto de poder para o PMDB no horizonte de 2018.


Brasil 24/7
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis cliente. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;

Gostou do Blog? Divulgue. Curta. Compartilhe. Colabore. Aproveite os preços baixos dos livros. AQUI Últimos livros Anunciados e AQUI Tabela de Preços Promocionais