Michel Temer, na sua pomposa pretensão, chamou-se de “uma ponte para o futuro”.

Fernando Henrique, mais pragmático, chamou-o de pinguela ¨é o que temos”.

Aécio Neves, na Folha, hoje, dá um passo além e chama o período Temer de Rubicão:

Eu conduzirei o partido com as forças que eu puder ter para viabilizar essa agenda de reformas para que nós possamos atravessar o rubicão e chegar a 2018 com o país melhor.

Embora seja duvidoso que Aécio Neves tenha a compreensão do que é “atravessar o Rubicão” na História.

O rio, em si, não era nenhum caudal difícil de transpor. Mas era o limite, imposto pela República Romana, ao deslocamento das legiões para que não se ameaçasse, dentro da cidade, o núcleo do poder. Os generais só podiam atravessá-lo sem tropas e o que com elas o cruzou, Júlio Cesar declarou a guerra civil para tornar-se ditador.

O “general” Aécio, condottieri tucano, proclama a irreversibilidade da decisão do PSDB de grudar-se ao Governo Temer, ainda que sabendo que parte das legiões, as do General Alckmin, não querem se sujar ante o povo com a dissolução do regime romano.

Declara, como um Julio Cesar tupiniquim, “alea jacta est”- a sorte está lançada – como fez seu modelo romano ao cruzar o rio, a dizer que a decisão é irreversível, para o bem e para o mal.

No que depender de mim, nós estaremos até o final desse governo contribuindo com propostas. O PSDB deve estar lado de Michel Temer.

Quando um tucano desce do muro, a história já nos mostrou para que lado o faz.

Confia em que, com Temer a atrair o desprezo público, possa passar incólume à agenda de destruição de direitos sociais e à abertura das poucas porteiras que ainda protegem resquícios da soberania nacional.

Mas posso estar errando quando me refiro a Aécio como diante ao Rubicão romano. Talvez mais adequado seja falar no de Machado de Assis, em seu romance Helena, onde todos os personagens, pelas conveniências, ambições e dinheiro, vão despencando para a hipocrisia.

Naquela mesma noite, ouviu Eugênia a esperada palavra. (…) Concedendo a mão a Estácio, não era uma castelã que entregava o prêmio, mas um cavaleiro que o recebia com alvoroço e submissão.Transposto o Rubicon, não havia mais que caminhar direito à cidade eterna do matrimônio.

Não faltam romance nem hipocrisia, aliás, na entrevista de Aécio, onde, às risadas, fala que tem por Serra “uma paixão avassaladora”.

Era isso mesmo que o velho Machado queria mostrar: as relações sociais movidas por aparências e pelas ambições.

TIJOLAÇO
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;