Como todos sabem, o plano A do golpismo é levar em frente a ideia de Gilmar Mendes e. de forma inédita, separar as contas de campanha de Dilma Rousseff e Michel Temer, para que ela possa ser impiedosamente condenada e ele candidamente inocentado.

O site de Folha faz hoje proezas para ajudar nesta “obra” de engenharia jurídica.

Não dava para torcer a correta matéria do repórter Walter Nunes, onde se diz que a defesa de Dilma Rousseff entregou ao Tribunal Superior Eleitoral documentos oficiais provando que os R$ 1 milhão que um dirigente da Andrade Gutierrez, Otávio Azevedo, disse terem sido dados como “propina” à campanha presidencial foram, na verdade, doados pela empreiteira à conta de campanha de Michel Temer e, dela, aplicados em propaganda.

Então, a edição do jornal saca a “maravilha” que está no destaque da imagem e na capa do site da Folha.

A “malvada” Dilma “ tenta envolver o PMDB e Temer em processo no TSE”.

Alguém precisa explicar ao rapaz da Folha que se presta a este papel que o processo no TSE é contra a chapa Dilma Temer e a coligação PT-PMDB que ela representava.

Apesar dos esforços, ele não foi desmembrado e, portanto, Temer e o PMDB estão envolvidos no processo.

Não tem tentativa nenhuma, exceto a de Temer e o PMDB tentarem o casuísmo de escaparem do processo.

É comovente, porém, a atitude do rapaz.

Como disse outro dia na mesma Folha o professor John Comaroff, de Harvard, a presunção de culpa é a regra.


Presunção de inocência é só para os golpistas.

Tijolaço
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;