O Brasil foi o primeiro país do mundo a derrubar uma presidente honesta para instalar a corrupção no poder; de um lado, Geddel Vieira Lima e Michel Temer pressionam um ministro a aprovar uma obra ilegal; de outro, o líder Romero Jucá age para "estancar a sangria" da Lava Jato e coloca, de contrabando, a "emenda Cláudia Cruz" na lei que permite a repatriação de recursos ilícitos por parentes de políticos; se antes o País teve alguma chance de ser uma nação admirada no mundo, hoje é a mais bananeira das repúblicas bananeiras




247 – O golpe parlamentar de 2016, articulado pelo consórcio formado entre PMDB e PSDB, em aliança com setores da mídia e do Poder Judiciário, revelou ao País sua real natureza e seus objetivos.

Um dos principais, ao afastar a presidente honesta Dilma Rousseff, foi reinstalar a corrupção no coração do poder, cuja prova evidente é o lobby de Geddel Veira Lima, com aval de Michel Temer, para liberar a obra onde o ministro tem um apartamento de R$ 2,4 milhões – imóvel que pode ter sido doado, como pagamento por serviços prestados, segundo o ex-ministro Juca Ferreira.

No entanto, o grande objetivo, bem maior do que esse, é livrar a cara dos mais de 200 políticos que estão prestes a ser atingidos pelas delações da Lava Jato. Ou seja: trata-se de "estancar essa sangria", como definiu o senador Romero Jucá (PMDB-RR), que, ontem, conseguiu contrabandear a "emenda Cláudia Cruz" na lei da repatriação, permitindo que parentes de políticos legalizem dinheiro sujo.

Enquanto o governo Temer desmorona, a presidente deposta Dilma Rousseff assiste de camarote à implosão do golpe tramado contra ela e vê se confirmar a tese do escritor português Miguel Sousa Tavares. "O golpe foi uma assembleia de bandidos presidida por um bandido", disse ele, referindo-se à votação liderada pelo ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), na Câmara dos Deputados.

Todo esse processo já custou demais ao País: uma queda de 5% do PIB em 2015, ano da política do 'quanto pior, melhor', outra de 3,5% neste ano, o primeiro da recessão Temer-Meirelles, e um 2017 sem nenhuma perspectiva de retomada. Graças a esse processo, levado adiante pelo senador Aécio Neves (PSDB-MG), milhões de brasileiros perderam seus empregos e muitos agora começam a perceber que foram enganados com a esdrúxula tese das "pedaladas fiscais".

Dilma foi afastada para que a corrupção voltasse a reinar e o Brasil deve a ela um pedido de desculpas.

Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;