Jornal GGN - Enquanto a cassação de Michel Temer via Tribunal Superior Eleitoral está em pauta, surgem notícias na grande mídia dando conta de que o Congresso discute as opções para uma eleição indireta. Há algumas semanas, os dois favoritos foram evidenciados: Nelson Jobim e Fernando Henrique Cardoso. Hoje, Xico Graziano, um dos fundadores do PSDB, diz na Folha que despido de qualquer "partidarismo, defende a volta de FHC. Para o internacionalista Gilberto Maringoni, o tucano está sendo colocado como um "pai da pátria" que, por já ter sido eleito, seria a alternativa mais fácil de ser empurrada para a população em caso da queda de Temer.

Por Gilberto Maringoni

NEM TRAGÉDIA E NEM FARSA: FHC E A OPERAÇÃO ADENAUER

No Facebook

O - ã? - artigo de Xico Graziano na Folha de S. Paulo desta quinta (3), pedindo a volta de FHC, é um balão de ensaio tucano, que expressa hesitações no interior do bloco dominante.

Graziano lança uma versão pós-moderna do Queremismo, possivelmente orientado pelo próprio interessado. Há sérias dúvidas se Michel Temer será duro e implacável o suficiente para dar respaldo à razão de ser do golpe, o congelamento do orçamento por vinte anos, em favor da alta finança.

A medida, como se sabe, pressupõe a anulação da política. Por duas décadas, nenhum postulante à presidência da República poderá ter programa algum. Será eleito o que melhor cortará na carne para fazer valer o rentismo em escala ampliada.

A classe dominante opta por uma espécie de "Operação Adenauer". Temer seria impichado na esteira da chapa eleita em 2014 e o Legislativo teria que solucionar a vacância presidencial.

Konrad Adenauer (1876-1973), foi eleito primeiro ministro da recém criada Alemanha Ocidental, em 1949, aos 73 anos. Governou até 1963. Era a melhor solução para unir um país destroçado pela Guerra e pelo nazismo. Alguém para catar os cacos da nacionalidade e dar-lhes novo sentido.

A eleição era congressual, como se sabe. Adenauer foi um político de direita, homem de confiança de Washington e que teve a grande tarefa de bloquear o avanço soviético na Europa, no auge da Guerra Fria.

Credenciais não lhe faltavam. Democrata Cristão (CDU) e anticomunista, o velho dirigente fora prefeito de Colonia de 1917 a 1933 e preso duas vezes pelo regime nazista. Em síntese, era um líder proeminente da República de Weimar e moralmente inatacável. Uma espécie de reserva-moral da nação.

No caso atual, com a avalanche de denúncias - em especial as de Eduardo Cunha - que se avolumam contra Michel Temer e sua trupe, vem a calhar a tentativa de se buscar uma espécie de Adenauer nativo, um pai-da pátria, nem que seja de fachada.

FHC está muito longe de ser inatacável. Mas aí conta-se com a falta de memória nacional. Vale aqui a frase imortal de Ivan Lessa: "A cada 15 anos, o Brasil se esquece do que aconteceu nos últimos 15 anos".

FHC seria, para os de cima, a figura ideal para uma escolha indireta, via Congresso. Em tese, ninguém poderia acusá-lo de não ter sido eleito. Ele o foi, por duas vezes. Ninguém mais se lembra como, mas isso não tem a menor importância.

Precisamos de um Adenauer para, como diz Michel Temer, "pacificar o país".

Xico Graziano, por sua vez, é uma graça...

GGN
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis cliente. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;

Gostou do Blog? Divulgue. Curta. Compartilhe. Colabore. Aproveite os preços baixos dos livros. AQUI Últimos livros Anunciados e AQUI Tabela de Preços Promocionais