Jornal GGN - Na manhã desta sexta-feira (11), mobilizações contra a Proposta de Emenda à Constituição 55 (antiga PEC 241) ocorreram em ao menos 15 estados e também no Distrito Federal, organizadas por movimentos populares e com a adesão de diversas categorias profissionais. 
 
A PEC 55 coloca um teto ao crescimento dos gastos públicos, atrelado ao aumento da inflação do ano anterior, durante vinte anos. 
 
“Estamos organizando essa greve geral em razão do retrocesso que está sendo imposto pelo governo federal, representado pela PEC 55, que foi aprovada na Câmara como PEC 241, que congela os investimentos em educação, saúde e áreas sociais. Essa e várias outras questões que estão sendo conduzidas pelo governo que são um retrocesso para a classe trabalhadora”, afirmou Rodrigo Rodrigues, secretário-geral da CUT do Distrito Federal. 
 
Foram registrados protestos no Acre, Alagoas, Amazonas, Bahia, Espírito Santo, Goiás, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Pará, Pernambuco, Paraná, Rio Grande do Sul, Rio Grande do Norte, Santa Catarina e São Paulo, além do Distrito Federal.
 
Em São Paulo, as rodovias Anchieta, Anhanguera, Dutra, Régis Bittencourt e dos Bandeirantes foram bloqueadas no início da manhã. Também foram interditadas a Ponte João Dias, na zona sul da capital paulista, e a Estrada de Itapecerica. 
 
Em Guarulhos, na Grande São Paulo, as empresas de ônibus paralisaram suas operações, assim como os motoristas de ônibus da região de Sorocaba. 
 
Os motoristas também aderiram à paralisação em Salvador, na Bahia. Os bancários baianos também fizeram parte da mobilização, assim com professores municipais e estaduais.  Manifestantes também fecharam o acesso ao polo de Camaçari, na região metropolitana de Salvador. 
 
No Rio Grande do Sul, entidades tentaram impedir a saída de ônibus da empresa de transporte público de Porto Alegre. Professores das redes pública e privada também pretendiam integrar as mobilizações. 
 
Em Minas Gerais, entidades estudantis, sindicatos e servidores realizaram ato em Belo Horizonte, se concentrando na Praça Sete. 
 
No Pará, o ato teve a participação de alunos e professores das redes públicas e de universidades, sindicato de bancários, associações quilombolas, MST, grupos negros, LGBT e feministas. A manifestação foi até o Tribunal de Justiça do estado.
 
 GGN
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;