O Valor Econômico publica hoje que o Sindicato da Indústria Naval ingressou com uma ação judicial para impedir que a Agência Nacional de Petróleo (ANP) aceite o pedido da Petrobras para reduzir (para zero, em muitos casos) a exigência de conteúdo local nos equipamentos para a exploração dos campos de Sépia e Libra, ambos do pré-sal, como havia sido exigido na licitação que outorgou à petroleira e seus sócios a produção destas jazidas.

O presidente do Sinaval, Ariovaldo Rocha, contesta as notas plantadas pela estatal de que os equipamentos, aqui, custariam entre 40 e 60% mais do que comprados no exterior:

“Como pode ser 40% mais caro se os operadores convidados [para afretar as unidades de Libra e Sépia à estatal] não pesquisaram nenhum estaleiro brasileiro?(…) Falta uma consulta real aos fornecedores locais. A Petrobras argumenta que as plataformas de produção ficam 40% mais caras com o conteúdo local, mas não apresenta as informações que comprovem esse argumento”

Para que o leitor tenha uma ideia da monstruosidade que pretende a gestão do indicado de Temer na Petrobras, o ex-“ministro do apagão” de FHC, Pedro Parente, quer que o casco das plataformas do megacampo de Libra tenha índice de conteúdo local zero,ou seja, passe a ser feito todo fora do Brasil. O edital e o contrato original que deram à Petrobras, (associada à Total, à Shell e às chinesas CNPC e CNOOC) o direito de exploração do campo previam que os cascos tivessem índices de conteúdo local que variavam de 75% até 90%.

E não são “casquinhos”. São embarcações gigantes, de mais de 300 metros de comprimento e capacidade para estocar 1,5 milhões de barris de óleo.

E milhares de empregos.

Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;