O ministro da Saúde, Ricardo Barros (PP), do governo Temer (PMDB/PSDB), declarou que uma parte da população do Brasil ficará sem qualquer assistência de saúde do Estado. A declaração foi em entrevista a BBC Brasil.

Segundo o ministro, que foi financiado por empresas de plano de Saúde, pesquisadores que defendem um sistema universal de saúde (SUS), como existe em países capitalistas como a Inglaterra, França e Canadá, ou seja, que atenda todos os segmentos da população, “não são técnicos, nem especialistas, são ideólogos que tratam o assunto como se não existisse o limite orçamentário, como se fosse só o sonho”. Para o ministro, parte da população, obviamente quem não tiver recursos para pagar plano de Saúde, vai ficar sem assistência à saúde.

A declaração se transforma em cifrão nas empresas de plano de Saúde. Coincidentemente, o maior doador da campanha de Ricardo Barros é sócio de gigante de planos de Saúde. O ministro já está sendo conhecido como o ministro dos Planos de Saúde.

Enquanto 90% dos empresários brasileiros veem seus negócios minguarem com as medidas do governo que chegou ao poder por um golpe parlamentar, alguns setores estão lucrando: grandes empresários receberão incentivo, grupos de mídia que apoiaram o golpe já receberam aumento de verbas e agora Planos de Saúde.

o setor de comércio, que tem a maioria dos empresários brasileiros, é um dos mais prejudicados com o novo governo.

Carta Campinas
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;