Marcelo Calero, que pediu demissão da Cultura na semana passada, afirma em depoimento à PF que presidente o "enquadrou" para atender interesse pessoal de colega de gabinete. Temer confirma conversa, mas nega pressão.



O ex-ministro da Cultura Marcelo Calero acusou o presidente Michel Temer, em depoimento à Polícia Federal, de tê-lo pressionado para que interviesse junto a um órgão vinculado à pasta a fim de favorecer um interesse pessoal do ministro da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima.

Calero pediu demissão do Ministério da Cultura na sexta-feira passada e, no sábado seguinte, prestou depoimento aos investigadores. O conteúdo foi divulgado pelo jornal Folha de S. Paulo somente nesta quinta-feira (24/11), sendo depois confirmado por outros veículos da imprensa brasileira.

Em entrevista ao mesmo jornal após sua saída, Calero disse que o principal motivo da demissão foi a pressão que sofreu de Geddel para que o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) concedesse licença para a construção de um edifício de luxo em Salvador no qual Geddel comprou um imóvel. A obra foi embargada pelo órgão nacional por ser incompatível com a região.

No depoimento à PF, o ex-ministro afirmou que Temer o convocou para comparecer no Palácio do Planalto e, nessa reunião, reforçou a pressão de Geddel contra ele.

"O presidente disse ao depoente que a decisão do Iphan havia criado 'dificuldades operacionais' em seu gabinete, posto que o ministro Geddel encontrava-se bastante irritado", diz a transcrição do depoimento enviado ao Supremo Tribunal Federal e à Procuradoria-Geral da República.

Temer teria então pedido a Calero para que "construísse uma saída para que o processo fosse encaminhado à Advocacia-Geral da União (AGU), porque a ministra Grace Mendonça teria uma solução", aponta outra trecho do depoimento, segundo o jornal Folha de S. Paulo.

Segundo o ex-ministro, o peemedebista disse que "a política tinha dessas coisas, esse tipo de pressão". Calero, que afirmou ter ficado "desapontado" com o fato de o próprio presidente tê-lo "enquadrado", teria então dito a Temer que "não se sentia à vontade para tomar qualquer decisão naquele processo". "A única saída foi apresentar seu pedido de demissão", afirma outro trecho do depoimento.

Marcelo Calero pediu demissão na semana passada

Nesta quinta-feira, após a divulgação das declarações, o presidente admitiu que tratou duas vezes com Calero sobre o caso, na tentativa de "arbitrar conflitos" entre o então ministro da Cultura e Geddel, mas negou tê-lo "enquadrado" no intuito de uma intervenção junto ao Iphan.

"O presidente trata todos seus ministros como iguais. E jamais induziu algum deles a tomar decisão que ferisse normas internas ou suas convicções", destacou o porta-voz de Temer, Alexandre Parola.

EK/abr/ots

DW
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;