por Sérgio Lírio

Segundo o cientista político brasileiro, a vitória do republicano representa o repúdio do eleitor comum ao establishment 

 
 
 hmtvalerio/Flickr  'Um outsider da política venceu como franco repúdio ao establishment'

Quando lançou em outubro seu mais recente livro, intitulado A Desordem Mundial, o cientista político Luiz Alberto Moniz Bandeira não previa exatamente a eleição de Donald Trump à presidência dos Estados Unidos.
Mas o caldo de cultura que alimentou a surpreendente vitória do republicano está fartamente analisado na obra, uma minuciosa descrição do predomínio do sistema financeiro e do esforço militar para espalhar pelo planeta o “espectro da dominação total” dos EUA.
A desordem, no fim das contas, não foi só externa. “Um outsider venceu como franco repúdio ao establishment”, afirma Moniz Bandeira nesta entrevista.

CartaCapital: Como interpretar a vitória de Donald Trump?
Luiz Alberto Moniz Bandeira: Os grandes bancos e corporações concentrados em Wall Street sempre foram, de fato, os eleitores do presidente dos Estados Unidos. Agora, porém, a tentativa de colocar Hillary Clinton na chefia do governo falhou. Um outsider da política venceu como franco repúdio ao establishment.
Ele recebeu, em larga medida, o apoio dos trabalhadores brancos empobrecidos pela globalização. A política do presidente Barack Obama, do Partido Democrata, foi igual ou pior do que aquela do presidente George W. Bush, do Partido Republicano. E o sistema político nos Estados Unidos está corrompido e apodrecido como no Brasil.

CC: O senhor acha que o republicano conseguirá cumprir a promessa de tornar os EUA mais protecionistas, barrar produtos chineses e recuar em acordos de livre comércio?

LB:
Creio que, de certo modo, Donald Trump, como presidente, tomará medidas protecionistas. É uma necessidade econômica para conter o desemprego. São mais de 45 milhões de americanos desempregados, número equivalente ao da população da Argentina.
Os acordos de livre comércio agravariam a crise. Tanto nos EUA quanto na União Europeia, a rejeição a esses tratados é enorme. Eles visam a dar soberania econômica e jurídica às grandes corporações, ao capital financeiro internacional e diminuir significativamente o poder do Estado nacional.

CC: A atuação militar dos EUA tende a aumentar ou a diminuir?

LB: Os EUA gastam 900 bilhões de dólares por ano com as instalações militares e serviço de inteligência, entre outras despesas. De 2001 a 2016, gastaram cerca de 4,7 trilhões apenas nas guerras no Afeganistão e no Iraque, segundo estudo realizado na Brown University. Com a sua "arrogância imperial", para usar um termo do professor Jeffrey Sachs, da Columbia University, produzem um massivo déficit público.
O país se vê obrigado a cortar investimentos urgentes em infraestrutura para sustentar uma disfuncional, militarizada e custosa política exterior. Creio que Trump terá de diminuir a ação militar para não levar os EUA à bancarrota. Ele será o síndico de uma nação cujo déficit fiscal é calculado em 534 bilhões de dólares.

CC: Como a vitória de Trump irá afetar a América Latina e o Brasil em particular?
LB: Diante dos problemas domésticos, onde expressiva parte da população sequer tem dinheiro suficiente para pagar o seguro de saúde, Trump provavelmente não cuidará tanto do exterior, incluída a América Latina. Suponho que não haverá diferença nas relações com o Brasil.

Carta Capital
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis cliente. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;

Gostou do Blog? Divulgue. Curta. Compartilhe. Colabore. Aproveite os preços baixos dos livros. AQUI Últimos livros Anunciados e AQUI Tabela de Preços Promocionais