A música homônima foi liberada para o uso na trilha do programa em 2008 pelo compositor, que agora sente desconforto com o programa




Após as últimas edições do programa, culminando no último Roda Viva com o presidente empossado Michel Temer, o cantor Chico Buarque afirmou, por meio de sua assessoria, estar estudando retirar a permissão de uso da sua música homônima na trilha do programa da TV Cultura, que vai ao ar às segundas-feiras.


“Que ele tem um certo desconforto de ver a música dele em um programa que, nas últimas edições e já há algum tempo, é bastante diferente e desvirtuado do programa original, ele sente”, explica o texto.

A canção de Chico Buarque foi lançada em 1967, o programa Roda Viva foi ao ar pela primeira vez em 1986, mas foi somente em 2008 que incorporou a canção do cantor e compositor carioca.

Antes mesmo da veiculação da entrevista de Temer na última segunda-feira (14), o programa já causava polêmica nas redes sociais. Uma transmissão ao vivo, no Facebook da TV Cultura, feita pelo coordenador geral de Jornalismo da rede ganhou repercussão nas redes sociais. No vídeo, Temer agradecia ao jornalista “por mais essa propaganda”.

O programa recebeu diversas críticas por conta do tom das perguntas, entre elas “Temer, como você conheceu a Marcela?”, feita por Ricardo Noblat.

Nesta quarta-feira (16), artistas e intelectuais, junto com o coletivo Jornalistas Livres, lançaram campanha na qual pedem a mudança do nome do programa e a retirada da música de Chico Buarque da trilha sonora da produção.



Portal Fórum
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;