Ghadeer Ahmed foi vítima de pornô de vingança depois de terminar com seu ex-namorado
Uma investigação da BBC revelou que milhares de jovens mulheres em sociedades conservadoras do norte da África, do Oriente Médio e do sul da Ásia estão sendo humilhadas ou chantageadas com imagens privadas suas, às vezes de conteúdo explícito. Nesta reportagem, Daniel Silas Adamson investiga como os smartphones e as redes sociais estão entrando em conflito com as noções tradicionais de vergonha e culpa nestes países.
Em 2009, uma jovem egípcia de 18 anos, Ghadeer Ahmed, mandou um vídeo para o namorado pelo celular. O clipe mostrava ela dançando na casa de uma amiga. Não havia nada de pornográfico nele, mas ela estava usando um vestido de alça e dançando sem qualquer inibição.

Três anos depois, para se vingar do fim do relacionamento, seu agora ex-namorado publicou o vídeo no YouTube. Ghadeer entrou em pânico. Ela sabia que toda a situação - a dança, o vestido, o namorado - seriam totalmente inaceitáveis para seus pais e vizinhos e para uma sociedade que exige que mulheres cubram seus corpos e se comportem com modéstia.

Mas, nos anos após ter enviado o vídeo, Ghadeer se envolveu na revolução egípcia, deixando de cobrir o rosto com um hijab e defendendo os direitos das mulheres. Revoltada que um homem havia tentado humilhá-la publicamente, ela acionou a Justiça.
'Não tenho motivo para sentir vergonha', diz egípcia chantageada por ex-namorado com vídeo
Apesar de conseguido condenar o ex-namorado por difamação, o vídeo permaneceu no ar no YouTube - e Ghadeer se viu atacada nas redes sociais por homens que a criticavam por seu ativismo e diziam que ela queria corromper os jovens.
Em 2014, cansada desse tipo de abuso e de se preocupar com quem poderia ver as imagens, Ghadeer tomou a uma decisão corajosa: publicou o clipe em seu perfil no Facebook. No post, dizia que estava na hora de parar de usar o corpo feminino para envergonhar ou silenciar mulheres. "Vejam o vídeo", disse ela. "Sou uma boa dançarina. Não tenho motivo para sentir vergonha".
Image caption Ex-namorado de Ghadeer Ahmed foi condenado por difamação por ter compartilhado vídeo em que ela aparecia dançando
Ghadeer aprendeu a lidar bem com a situação, mas casos assim não são incomuns. Uma investigação da BBC descobriu que milhares de pessoas - a maioria delas garotas e mulheres - são ameaçadas, chantageadas ou humilhadas com imagens digitais delas próprias, que vão de flertes inocentes a contéudos sexualmente explícitos.
Obtidas por homens - algumas vezes com consentimento, outras por meio de abuso sexual - as imagens são usadas para extorquir as vítimas, coagi-las a enviarem mais imagens explícitas ou forçá-las a se submeterem a um abuso sexual.
O pornô de vingança é um problema em qualquer país do mundo, mas a força de imagens sexuais como armas de intimidação deriva da sua capacidade de humilhar e envergonhar mulheres. E, em algumas destas sociedades, a vergonha é um assunto grave.
"No Ocidente, a cultura é diferente", diz Inam al-Asha, psicóloga e ativista feminista em Amã, na Jordânia. "Uma foto nua pode humilhar uma garota ocidental. Mas, em nossa sociedade, uma foto nua pode levar uma mulher à morte. E, mesmo que não deem cabo de sua vida fisicamente, ela está acabada social e profissionalmente. As pessoas se distanciam, e ela acaba no ostracismo, isolada."
Os casos, em sua maioria, não são denunciados porque as mesmas forças que deixam as mulheres vulneráveis também trabalham para que elas permaneçam em silêncio. Mas advogados, policiais e ativistas em uma dezena de países disseram à BBC que a chegada de smartphones e redes sociais criou uma epidemia de chantagem e humilhção online.
Image caption Segundo especialista, muitas das fotos não têm contaúdeo sexual; nessas sociedades, a imagem de uma menina sem o hijab já pode causar problemas
A advogada jordaniana Zahra Sharabati afirmou que, nos últimos dois ou três anos, cuidou de ao menos 50 casos envolvendo o uso de imagens digitais para ameaçar ou humilhar mulheres. "Mas acho que o número é ainda maior, acima de 1 mil, em todo o país. Mais de uma menina, acredito, morreu como resultado disso."
Louay Zreiqat, uma policial da Cisjordânia, disse que, no ano passado, a unidade de cibercrime da polícia palestina teve 502 casos de crimes, muitos dos quais envolviam fotos privadas de mulheres. Seu compatriota Kamal Mahmoud, que tem um site anti-extorsão, afirmou receber mais de 1 mil pedidos de ajuda por ano vindos de todo o mundo árabe.
"Às vezes, as fotos não são sexuais... Uma foto de uma menina sem o hijab pode ser escandalosa. Um homem poderia usá-la para pressionar a garota a mandar mais fotos", afirmou ele.
"A chantagem ocorre em grande escala nos países do Golfo, especialmente com jovens da Arábia Saudita, dos Emirados Árabes, do Kuwait, do Catar e do Bahrein. Algumas delas dizem: 'Se essas fotos forem a público, corro perigo de verdade'."

Chantagem

Na Arábia Saudita, o problema é tão sério que a polícia religiosa criou uma unidade especial para ir atrás dos chantageadores e ajudar mulheres ameaçadas. Em 2014, o então chefe da polícia religiosa do país, Abdul Latif al-Sheikh, disse a um jornal saudita: "Recebemos milhares de ligações todos os dias de mulheres sob chantagem".
Mais ao leste, Pavan Duggal, um dos principais especialistas em cibercrime da Índia e advogado autorizado a atuar na Suprema Corte do país, falou sobre a "avalanche" de casos envolvendo imagens digitais de mulheres. "Minha estimativa é que há milhares de processos assim (na Índia) diariamente."
E, no vizinho Paquistão, Nighat Dad, diretora de uma ONG dedicada a tornar a internet mais segura para mulheres, disse que de duas a três garotas e mulheres por dia - cerca de 900 por ano - entram em contato com sua organização por estarem sendo ameaçadas.
Image caption Em países de sociedade mais conservadora, a exposição de imagens íntimas pode levar à morte de uma mulher
"Quando estão em um relacionamento, as mulheres compartilham fotos e vídeos", disse ela. "E, se o relacionamento não termina bem, a outra pessoa faz um mal uso disso para chantageá-las - não só para manter a relação, mas para fazer uma série de outras coisas bizarras."

Cultura do estupro

Os casos vão além da chantagem. Nighat Dad está começando a ver um elo perturbador entre smartphones e violência sexual. "No início, eram fotos íntimas, mas, agora, há uma ligação grave com estupros", afirmou.
"Antes destas tecnologias, quando os criminosos estupravam, não tinham ideia de como podiam fazer a mulher ficar calada. Mas, agora, a tecnologia gera um aspecto novo da cultura do estupro. Para silenciá-las, o ato é filmado, e elas depois são ameaçadas. Se denunciarem, o vídeo será publicado na internet."
Quanto mais devastadora a consequência da exposição pública, maior é o poder do criminoso sobre a vítima.
Amal, uma jovem do interior da Tunísia, contou à BBC sua história enquanto estava presa na costa norte do país. Tudo começou quando ela foi estuprada e fotografada nua por um amigo de seu pai. As imagens a deixaram à mercê do homem, que a sujeitou a meses de violência sexual enquanto também a extorquia.
Mas, quando ele ameaçou estuprar sua irmã mais nova, Amal chegou ao seu limite. A jovem convidou o amigo de seu pai à sua casa e o matou a facadas. Ela agora cumpre uma pena de 25 anos.
Outra jovem, vítima aos 16 anos de um estupro coletivo no Marrocos, ateou fogo em si mesma em julho passado, após seus estupradores ameaçarem compartilhar pela internet imagens do abuso. Logo após o crime, os oito acusados tentaram intimidar a família da garota para que fosse retirada a queixa. Mas o caso todo acabou em suicídio: ela sofreu queimaduras de terceiro grau e morreu no hospital.

Vídeos de estupros

Mas é na Índia e no Paquistão que o uso de celulares para registrar estupros parece estar mais difundido.
Em agosto de 2016, o jornal Times of India descobriu que centenas - talvez milhares - de vídeos de estupros estavam sendo vendidos diariamente em lojas do Estado de Uttar Pradesh, no norte do país. Um lojista da cidade de Agra disse: "Pornô saiu de moda. Esses crimes reais é que estão em alta". Outro lojista foi ouvido pela reportagem dizendo a clientes que a garota do vídeo "mais quente do momento" poderia ser uma conhecida sua.
Em um exemplo investigado pela BBC, uma profissional da saúde de 40 anos se matou após um vídeo em que era estuprada por um grupo começou a ser compartilhado entre moradores de seu vilarejo pelo aplicativo de mensagens WhastApp. A mulher pediu ajuda aos anciãos locais, mas, segundo um colega seu, não recebeu qualquer apoio da comunidade, para quem o vídeo a manchava socialmente - já que, na visão deles, ela era a culpada pelo ocorrido.
Mas a força destas imagens em sociedades conservadoras pode ser uma faca de dois gumes.
Algumas mulheres compreenderam que, se elas podem ser usadas para envergonhar mulheres, também poderm ser usadas como armas para atacar e desafiar uma cultura patriarcal.
Quando Ghadeer Ahmed postou o vídeo em que aparecia dançando no Facebook, ela não só estava minando as tentativas de humilhá-la, mas rejeitando a noção de que o clipe era motivo de vergonha.
"Um grupo de homens tentou me envergonhar ao compartilhar um vídeo privado em que dançava com amigos. Estou escrevendo isso para anunciar que, sim, era eu no vídeo, e, não, não tenho vergonha do meu corpo", escreveu ela.
Image copyright Amina Sboui / Facebook
Image caption Amina Sboui publicou uma foto no Facebook com os seios à mostra e seguinte mensagem escrita no peito: 'Meu corpo pertence a mim'
Em 2011, outra jovem do norte da África, Amina Sboui, foi além e publicou fotos com os seios à mostra no Facebook. Em seu peito nu, escreveu: "Meu corpo pertence a mim - não é alvo da honra de ninguém". A imagem gerou uma grande controvérsia em seu país, a Tunísia.
Mais recentemente, Qandeel Baloch, originalmente de um vilarejo da região de Punjab, no Paquistão, usou as redes sociais para publicar selfies em poses sociais acabou ficando famosa. Conhecida como a "Kim Kardashian do Paquistão", em referência à socialite e celebridade americana, ela desafiou as regras sociais do país ao adotar a cultura sexualizada da internet - até ser estrangulada por seu irmão em julho passado. Segundo ele, ela levou vergonha à família.
O poder dos smartphones e das redes sociais parece não estar sendo ignorado pelas autoridades da Arábia Saudita, que estão combatendo agressivamente o uso de imagens de mulheres por homens chantagistas e criminosos. Autoridades também estão realizando campanhas para educar jovens sobre o perigo de compartilhar fotos online.
Por um lado, é uma medida importante para proteger as mulheres sauditas, mas a rapidez dessa reação também reflete um reconhecimento de que a tecnologia tem poder para mudar padrões de comportamento e pensamento - e que já está criando um novo front da batalha sobre o que as mulheres podem ou não fazer com seus próprios corpos.

 BBC
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;