De boa na lagoa

Um amigo do DCM, homem muito bem informado e com trânsito neste e em governos passados, conta o seguinte:

O tratamento diferenciando que Eduardo Cunha recebeu no momento de sua prisão, sem show, sem ser algemado, detido à tarde, se deve à sua amizade com o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes.

No fim de 2014, pouco antes de assumir a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo, Moraes defendeu Cunha em uma ação sobre uso de documento falso. Conseguiu a absolvição do peemedebista.

Em abril deste ano, Cunha indicou Moraes para o amigo Michel Temer. A ideia era que ele assumisse a AGU. 

José Eduardo Martins Cardozo é que deixava seus companheiros do PT serem humilhados com as mãos para trás. 

Por quê? Porque estava no bolso da Polícia Federal desde que uma então namorada foi presa num shopping de Brasília ainda no primeiro mandato de Dilma.

A PF fez com ele o que fez com Marcio Thomaz Bastos, que entregou nas mãos dele os documentos de offshores em seu nome em paraísos fiscais do Caribe (leia sobre o caso aqui). 

Cardozo ficou amarrado. 

Em maio de 2014, houve uma tentativa de assalto à filha e à ex-mulher de Cardozo na região do Morumbi, em São Paulo. Elas estavam sendo escoltadas pela PF, o que é ilegal e foi questionado pelo sindicato da categoria.
Ou seja: a corporação sentou o Cardozo em seu colo. Moraes tem vários problemas, mas esse não é um deles.

 DCM
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;