O governo golpista se vale da sua maioria parlamentar para entulhar a agenda com suas propostas antidemocráticas, de retrocessos, de desmonte do Estado, de violação dos direitos dos trabalhadores, de recuo nas políticas sociais. Aquelas do teto dos gastos públicos e a referente ao pré-sal são prioridades, que tocam diretamente a redistribuição de recursos no orçamento em detrimento das políticas sociais e dos salários, e ao processo de privatização da Petrobras.

Mas, ao lado delas, o governo golpista afoitamente toma decisões complementares, sem gerar as condições mínimas de sua viabilização. A reforma do ensino médio é particularmente desastrada, porque implementada mediante uma medida provisória, alterando profundamente a estrutura do ensino, sem discussão, sem argumentos, bem ao estilo autoritário da direita.

Mas o governo pode se dar mal, ao tocar num tema tão sensível à sociedade, que interessa aos professores, aos estudantes, aos pais dos alunos e a todos os brasileiros em geral, pelo papel que a educação tem na vida de todos.

A própria reação imediata dos estudantes secundaristas serve como mostra de que o tema pode funcionar como rastro de pólvora, para mobilizar a amplos setores contra a medida provisória de reforma do ensino médio. Em um estado conservador como o Paraná, rapidamente centenas de escolas foram ocupadas pelos estudantes, em cerca de 10 cidades do estado, pela revogação da medida, acompanhada do tradicional Fora Temer! O movimento foi acompanhado, em seguida, pela greve da combativa APP (Associação dos Professores Paraná), colocando em pé de guerra todo o setor educacional do Estado contra a iniciativa do governo golpista.

Em outros estados foram se produzindo também as ocupações das escolas pelos estudantes secundaristas, confirmando a capacidade de propagação do movimento para o conjunto dos estudantes, inclusive os universitários, que em vários estados já realizam também ocupações. Ocupações que desenvolvem atividades de aulas, de vídeo conferências, de atos culturais, esportivos, de reforma e preservação das escolas.

A reforma do ensino médio que o governo tenta impor pode, assim, sair pela culatra. Pode ser a primeira grande derrota do governo golpista. A medida provisória tem vigência imediata, embora o governo já esteja protelado a posta em prática das medidas para o próximo ano. Mas a medida tem que ser aprovada pelo Congresso em 120 dias, senão perde validade.

Esse é o prazo que se tem para mobilizar a sociedade, nos seus mais amplos setores, para ter efeitos sobre as bases de apoio dos próprios parlamentares, acusando aos que apoiaram a medida de "inimigos da educação no Brasil". É possível levar a que a medida seja rejeitada ou não seja aprovada no prazo devido, conduzindo a política educacional retrógrada do governo e o próprio governo a uma primeira grande derrota. Vale a pena aceitar esse desafio.



Brasil 24/7
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;