O senador Roberto Requião (PMDB-PR) denunciou nesta segunda (10) o que ele considera um golpe na Constituição Federal, promulgada em 5 de outubro de 1988, portanto há 28 anos.




“PEC 241 é um golpe na Constituição de 1988”, grita Requião nas redes sociais.

Segundo o senador, os deputados que votaram pelo afastamento da presidente Dilma Rousseff — em abril — agora completam o serviço entregando o país ao capital financeiro.

“Em país que não tributa lucros do capital, em que banqueiros mandam no BC e juros, Temer quer cortar nos salários, na saúde e na educação”, protestou.

Requião se disse orgulhoso dos estudantes secundaristas paranaenses, que ocupam escolas contra a reforma do ensino médio e a PEC 241 que congela investimentos na educação por 20 anos.

“Orgulho dos estudantes de meu Paraná que se manifestam contra a absurda PEC 241. Na falta de partidos fala, com força, a juventude. Parabéns!”, elogiou.

Para Requião, deputado que votar contra PEC 241 não é desagradar o TEMER, mas sim salvar o Estado Social brasileiro. “É livrar o Temer do desvario de sua assessoria”, completou.

O governo Michel Temer (PMDB) faz um jogo de vida e morte em torno da aprovação da PEC 241, que congela os investimentos públicos por 20 anos. A matéria entra na pauta da Câmara nesta segunda e serão necessários 308 votos para institucionalizar a recessão na economia brasileira até 2037.


Esmael Morais
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;