O aumento de casos de estupros violentos na Argentina gerou uma grande onda continental que levou milhares de mulheres às ruas da América Latina e Central nessa quarta-feira (19) contra a violência machista

Buenos Aires, Argentina, milhares de mulheres nas ruas contra o feminicídio em dia de Greve Nacional das Mulheres. #NosotrasParamos. Foto: Emergente



Contra o crescente número de feminicídios, ou seja, crimes por motivação de gênero, ocorridos durante a Conferência Nacional de Mulheres, em especial da jovem de 17 anos Lucía Pérez, drogada e estuprada durante dias, o coletivo #NiUnaMenos organizou mobilizações de rua pelo Brasil, Paraguai, Bolívia, Peru, Equador, Venezuela, Colômbia, Guatemala, Costa Rica, Panamá, Nicarágua, México, Honduras e França.

Acompanhe abaixo a cobertura da Mídia NINJA:

PORTO ALEGRE





SÃO PAULO





BUENOS AIRES/ARGENTINA










ROSÁRIO/ARGENTINA





CÓRDOBA/ARGENTINA

Córdoba, na Argentina, também está nas ruas contra o feminicídio, no dia da primeira greve nacional de mulheres. #NosotrasParamos por #NiUnaMenos porque #VivaNosQueremos

ASSUNÇÃO/PARAGUAI

Foto: RTV Paraguay

SANTIAGO/CHILE






LA PAZ/BOLÍVIA





LIMA/PERU





MONTEVIDÉU/URUGUAI





SAN CRISTÓBAL DE LAS CASAS E CHIAPAS/MÉXICO





CIDADE DO MÉXICO/EUA

Centenas de pessoas já se concentram em Victoria Alada, na Cidade do México, em dia de mobilização continental contra o feminicídio. Foto: Daptnhe Cuevas

PARIS/FRANÇA




Oximity
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;