O governador do Paraná Beto Baixaria, do PSDB, partiu para criminalizar o movimento de estudantes que nesta quarta (19) ocupou a 800ª escola da rede pública estadual.


Com a vergonhosa e providencial ajuda do blog Gazeta do Povo, o tucano tenta criminalizar os estudantes utilizando a polícia para esse fim. Uma das táticas é imputar aos jovens consumo de “álcool” e “drogas” dentro das escolas.

O ex-jornal se vale de conhecidos movimentos de extrema-direita, que flertam com o fascismo (veja vídeo abaixo), para incriminar os adolescentes que participam do legítimo protesto contra a reforma do ensino médio (MP 746) — a Lei Alexandre Frota — e a PEC 241 (congelamento de investimentos por 20 anos na educação).

A blitzkrieg da Gazeta do Povo/RPC — grupo da Globo — chantageia ainda os jovens dizendo que o movimento de ocupação de escolas, reconhecido como legítimo pelo Ministério Público e pelo Conselho Tutelar, vai prejudicar as provas do Enem. No entanto, trata-se de mais uma mentira que visa jogar a opinião pública contra os estudantes.

O MEC deveria perguntar ao TRE como fazer, pois, a Justiça Eleitoral já tem um “Plano B” para a votação do 2º turno nas escolas ocupadas em Curitiba, Ponta Grossa e Maringá — sem prejuízo à democracia e aos eleitores. Portanto, o Enem pode e deve ocorrer mesmo com as legítimas ocupações.

A aliança Beto Baixaria com o blog Gazeta do Povo salta aos olhos pela covardia, pois são meninos e meninas que lutam pela qualidade do ensino. Coisa que o dinheiro não entende — ou finge não entender.

Em vídeo, estudantes passam uma carraspana na Gazeta do Povo:



Militantes do MBL (fonte da Gazeta do Povo) admitem aos estudantes do CEP que são fascistas:




Esmael Morais
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;