Medida que congela gastos públicos por 20 anos será votada hoje na Câmara


Foto: Reprodução/Facebook/Mídia Ninja


Estudantes ocupam o gabinete da Presidência da República, em São Paulo, nesta segunda-feira (10), em protesto contra a PEC 241, que congela gastos públicos por 20 anos. A medida será votada hoje na Câmara.

“Essa PEC abre a era das terceirizações, inclusive da Educação. Só vamos sair daqui quando Temer revogar essa PEC”, disse um dos manifestantes.

Um documento assinado por economistas e apoiado por líderes da oposição e da Minoria no Congresso contra a PEC 241 foi lançado na Câmara nesta segunda-feira, dia previsto para a votação da proposta de emenda.

O economista Pedro Rossi, professor da Unicamp, é um dos autores da publicação e disse que a medida reduzirá o crescimento do País: “Esse trabalho foi feito com vários economistas, depois de dezenas de reuniões. Essa PEC parte de um pressuposto irrealista de que, ao passar a PEC, a gente volta a ter crescimento. Isso é mentira. Pressupõe a fadinha da confiança. Isso é ideológico, não tem nenhum substrato histórico. Todos os países que aplicaram ajuste tiveram dificuldade de crescimento. O gasto público vai contribuir zero para o crescimento nos próximos anos. A PEC não é anticíclica, ela é contracionista, sempre estará puxando o crescimento para baixo. Vai exigir do setor privado muito mais, porque o setor público vai se contrair”.


Brasileiros
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;