O governador Beto Richa (PSDB) quebrou o Paraná, diz o Jornal da Globo, na madrugada de hoje (21), ao mostrar que estado gasta 61% do que arrecada com pessoal. A emissora não detalhou, no entanto, que a situação falimentar ocorreu em decorrência da incompetência e irresponsabilidade fiscal do tucano.



A Globo já escolheu os culpados para pagar a conta: os servidores públicos e aposentados. Entretanto, não disse que o Paraná tem um dos maiores contingentes do país ocupando cargo em comissão — o que ultrapassa o limite da LRF.

O reacionário telejornal propõe congelamento de salários e investimentos, ou seja, no mesmo espírito que impõe a PEC 241 (congelamento da de investimentos por 20 anos) e a PEC 257 (proibição de contratação de novos funcionários públicos por 20 anos).

A política fiscal adotada por Richa e implementada pelo secretário importado da Fazenda,Mauro Ricardo Costa, faliu o Paraná e agora o estado pode ser desgraçado pelos próximos 20 anos.

E os paranaenses nada irão fazer?

Mauro Ricardo Costa foi “expulso” de Salvador, Bahia, no final de 2014, depois de quebrar da Prefeitura daquele município do Nordeste. Mas Richa o abrigou no Paraná por razões ainda não muito claras.


Esmael Morais
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;